27 de julho de 2020

“Uma história deve ter elementos para engajar”, afirma Paulo Nassar em live da Sabesp

Por Aurora Ayres

 

Nas últimas décadas, a comunicação empresarial brasileira ampliou o seu olhar, sob o ponto de vista ambiental, social e econômico. Novos contextos, diferentes realidades e diversas possibilidades de acesso à informação vêm provocando novas narrativas no universo organizacional. Para discorrer sobre as Novas Narrativas da Comunicação, o diretor-presidente da Aberje e professor titular da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), Paulo Nassar, foi convidado, no dia 23 de julho, para a live da Sabesp, conduzida pela jornalista Caroline Mansour, transmitida nas redes sociais da companhia. 

Na ocasião, o professor comentou sobre a mudança de posicionamento das empresas brasileiras quanto à sua comunicação com a sociedade nas últimas cinco décadas, desde a fundação da Aberje, em 1967. “Naquela época, os comunicadores olhavam o processo de comunicação como meios, como canais de comunicação. Houve uma evolução enorme. Hoje, a comunicação faz parte da composição de qualquer produto. Não pode mais haver anafalbetismo em comunicação, e isso vai de P a P (do Porteiro ao Presidente)”, ressaltou.

Nassar explicou que a comunicação deve estar balizada pela competência, legalidade e legitimidade. “Uma das qualidades de qualquer organização é falar tudo o que ela faz. Dependendo de sua escala, pode atingir todas as pessoas do mundo. Uma empresa hoje é uma extensão do território da sociedade”, afirmou, acrescentando que, no Brasil, há setores muito antenados em corrigir seus erros incorporando políticas ESG (Environmental, Social and Governance), ou seja, considerar fatores ambientais sociais e de governança em seus investimentos.

“Os grandes fundos de investimentos olham como uma empresa se comporta em relação a esses parâmetros. Nos últimos cinco anos, podemos observar o impacto que a questão de governança teve na existência de algumas organizações. Em termos de comunicação, as empresas devem gerar narrativas ligadas a esses temas. As pessoas querem saber o que as empresas estão fazendo e suas narrativas devem estar alinhadas a competências que engajem a sociedade”, complementou.

Educação em Comunicação

Narrativa é discurso. Durante a live da Sabesp, o professor Paulo Nassar explicou que toda narrativa tem intenção de comunicar algo e que, nesse sentido, o comunicador deve ‘voltar’ para além do produto. “O nosso território é o da palavra, da história do que contamos. Uma história deve ter elementos para engajar”,  argumento, alertando sobre a necessidade de reagir ao que se ouve e não apenas consumir algo. “Assim, combate-se a obesidade informacional. É preciso ter fome de sentido e significado”, completou.

O professor lembrou que já foi o tempo em que a narrativa era domínio exclusivo do universo corporativo. “Hoje, com a democracia da informação, qualquer pessoa da cadeia relacional da empresa tem a possibilidade de produzir narrativas para o bem e para o mal e fazer circular a informação em tempo real, através do que eu chamo de ‘antropologia do smartphone’”, comparou. 

E haja smartphone! No Brasil, já são mais de 100 milhões. “Nós vivemos uma época maravilhosa, com muitas possibilidades de comunicação. Mas devemos ficar vigilantes em meio a tantas manipulações de informações”, alertou, referindo-se às fake news. “A sociedade ainda está aprendendo a lidar com isso. São os ruídos da comunicação”, concluiu. 

É aí que entra a Educação em Comunicação. Em sua análise, a sociedade e sua cadeia de públicos diante de tantas marcas vem ‘exigindo’ essa educação em comunicação. O ambiente digital só multiplicou essa pressão. “Há que se consumir informação de modo que isso não paralise. Há muita disponibilidade de informação, mas é preciso saber selecionar”, comentou. “Para o comunicador, é como um jogo: detectar onde está a informação que vai impactar no estratégico da organização. Não basta fazer a seleção, mas interpretar essa informação e, depois, opinar sobre ela”, comparou.

Assista:

As Novas Narrativas da Comunicação

Nessa live, Carol Mansour conversa com Paulo Nassar, presidente da Aberje , para falar sobre as novas formas de se comunicar através das narrativas.

Publicado por Sabesp em Quinta-feira, 23 de julho de 2020

 

  • COMPARTILHAR:

COMENTÁRIOS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *