fbpx
×

Eventos corporativos ganham universo virtual

Redação Portal Aberje

Associadas da Aberje, Unisys e Volkswagen, apresentaram cases sobre eventos online no LiderCom Next

Por Aurora Ayres

A necessidade é mesmo a mãe da criatividade. Se existe algo positivo trazido pela pandemia do novo coronavírus, foi o estímulo à capacidade de invenção e de adaptação do ser humano, a fim de superar os diferentes desafios desencadeados por uma realidade até então desconhecida. Diante de um contexto tão inusitado, eventos de todos os tipos foram suspensos. Como os comunicadores estão lidando com essa questão? É possível seguir com o calendário de eventos corporativos? Dois cases apresentados durante o LiderCom Next Generation, grupo de líderes da comunicação, no encontro online realizado no dia 23 de julho, mostram que sim. Desde que haja empenho, profissionalismo e, claro, criatividade.

Na ocasião, o diretor de marketing da Unisys para América Latina, Marcos Santos compartilhou o case Workshop de Inovação Unisys, que trouxe formatos virtuais de eventos e formas de engajamento e o gerente de Imprensa Corporativa da Volkswagen do Brasil, Fernando Campoi, apresentou o case Lançamento Nívus 100% Digital, que envolveu diversos públicos de contato da empresa para elaborar três lives que mostraram todos os recursos do produto, para uma audiência de mais de 150 mil pessoas, em cerca de 60 países.

Ideias reais de um workshop virtual

Mesmo para se elaborar um evento simples como um workshop online é preciso inovar ainda mais em tempos de confinamento social. Ao apresentar o case Workshop de Inovação Unisys, Marcos Santos diretor de marketing da Unisys para América Latina, contou que sua equipe teve que se reinventar para mostrar que é possível não só obter resultados positivos com um evento totalmente digital, mas descobrir novas possibilidades de estreitar relacionamentos e engajar seus stakeholders.

Marcos Santos, da Unisys

O workshop de ideias, que era um evento físico de dois dias e já tinha toda uma estrutura desenhada, teve que ser transformado para uma nova dinâmica. “Nesse formato digital, a equipe entendeu que o evento não poderia mais ser realizado em dois dias, mas em duas manhãs, para que não ficasse cansativo”, acentuou o executivo, acrescentando que o modelo foi adaptado para duas horas por manhã, com apresentações de 10 minutos cada uma. “O evento é feito para entendermos quais as necessidades de negócio de determinado o cliente, para levantarmos os pontos onde podemos apoiá-lo. É uma forma do cliente perceber a inovação que oferecemos por meio de nossos serviços”, complementa Santos.

Além do aspecto virtual, a mudança também atingiu a questão da abrangência de engajamento para além da área de Tecnologia, atingindo o Marketing do cliente, área de Inovação, Negócios, Administrativa e Recursos Humanos. O material digital era composto por um relatório com a lista das principais ideias discutidas e resultados da votação, além de um roteiro detalhado com as recomendações de projetos e soluções da Unisys a serem implementadas em um prazo específico, com base nas principais conclusões do workshop.

 

Neste evento, realizado em junho deste ano, a equipe criou um kit para servir como teaser – algo que não havia no evento físico, que incluía – entre itens de material de apoio – uma caneca e o café como forma de engajar os participantes durante o break. “O maior desafio foi a logística para fazer com que as canecas chegassem no mesmo dia aos 30 endereços em São Paulo e outras cidades. Deu tudo certo. O pessoal interagiu muito bem, mais de 90% mantiveram suas câmeras abertas e cumprimos nosso objetivo”, revela Santos. “Eu acredito nesse modelo 100% virtual no pós-pandemia ou mesmo um modelo híbrido,  dependendo do tipo de evento. As pessoas estão mais abertas a isso. É uma forma de otimizar o tempo. De qualquer forma, o virtual veio pra ficar”, prevê.

Primeiro carro no mundo com lançamento digital

Preparar o lançamento de um carro no formato digital a ser transmitido ao vivo para vários países, em idiomas diferentes, ao mesmo tempo e em plena pandemia. Um desafio jamais imaginado por Fernando Campoi, gerente de Imprensa Corporativa da Volkswagen do Brasil. “Confesso que nunca imaginamos fazer um evento do lançamento de um carro, sem que os jornalistas tivessem contato físico com ele”, ressalta.

Para que toda a América Latina e Europa pudessem conhecer o Nivus da Volkswagen, foi preciso pensar em cada detalhe da live, produzir o cenário ideal, garantir a qualidade de som e de imagens para a transmissão ao vivo. Muita coisa para fazer e com uma equipe de 10 pessoas, já que o lançamento foi feito em maio, no ápice da pandemia no Brasil. Em circunstâncias normais para um evento como esse são envolvidas cerca de 50 pessoas – entre mecânicos, engenheiros, pessoal de marketing e diretoria. 

Fernando Campoi, da Volkswagen

O cronograma era bem longo. De todas as ações realizadas para a live, Campoi detalhou como foi a world première – quando ocorre o primeiro contato da imprensa com o carro, sem apresentação de detalhes técnicos. “Foram duas horas de uma live muito bem planejada e ensaiada. Para que fosse dinâmica, incluímos vídeos e a participação de diversos públicos de contato da empresa – jornalistas, colaboradores, fornecedores, redes de concessionárias”, conta. 

A transmissão foi realizada em português, espanhol e inglês; sem contar uma live exclusiva para jornalistas, além de um link dedicado para todos os stakeholders nos três idiomas. Tudo feito de dentro da fábrica, em uma sala de realidade virtual onde o cenário montado trazia o novo design da marca Volkswagen, apresentada oficialmente no final de 2019. “O Nivus representa a chegada dessa identidade da marca na América do Sul. Todo o visual do palco foi adaptado para o novo new brand design da marca, então levamos esses elementos em consideração”, comenta Campoi. 

Quanto à imprensa, o executivo conta que para um lançamento importante como esse, seriam convidados cerca de 120 jornalistas para cobrir o evento. Com a live, abriu-se audiência para 115 mil pessoas, em 60 países. “Com isso, tivemos 386 perguntas. Nesse ponto, foi impossível responder a todas. Não pudemos agradar a todos, pois tivemos que escolher algumas. Isso foi algo que nos chamou atenção. Qual o formato ideal para abrir a perguntas já que não é possível responder a todas durante uma live?”, questiona o executivo.

O desafio valeu a pena. “A cobertura foi muito grande, de toda a mídia brasileira, América Latina e Europa. Não perdemos espaço na mídia por ser um evento digital, foi tão boa quanto se tivéssemos feito presencial. Inclusive dos influenciadores digitais: até live da live fizeram. Uma pessoa ia apresentando a live e comentando o que ia acontecendo ao seu público. Muito interessante!”, comenta. “De certa forma não dispensamos a parte presencial. O cenário utilizado para transmitir a live ficou montado durante um mês. Nesse período, o carro ficou disponível para que os jornalistas pudessem tirar suas próprias impressões e fazer suas próprias imagens”. 

Outro ponto ressaltado por Campoi foi a realização da pré-venda digital. “Foi uma novidade surpreendente. Em três dias, foram vendidos 2.200 carros de forma digital, sem campanha de marketing, nem mídia paga. Um resultado fantástico. Toda a experiência foi muito diferente e ainda tivemos uma economia enorme, já que o custo para se fazer uma live é muito menor do que montar um evento presencial para lançar um carro. Esse é um formato que veio pra ficar, talvez com um misto de forma presencial, mas os resultados mostraram que funciona”, conclui.