Cursos in company em comunicação atraem atenção das empresas
21 de fevereiro de 2022
  • English

Cursos customizados contribuem para a formação profissional e excelência de resultados nas organizações

Os desafios da atualidade surgem cada vez mais complexos e exigem de companhias, líderes e profissionais visão de futuro, conexões multidisciplinares e ferramentas que ajudem nas tomadas de decisões. É preciso se aperfeiçoar e se organizar para não perder competitividade no mercado. Por isso,as empresas vêm apostando cada vez mais em cursos in-company, que contribuem para a formação profissional e excelência de resultados nas organizações. 

Pesquisa da Deloitte, intitulada “Agenda 2022” aponta que a maior parte das empresas deve manter ou aumentar investimentos em tecnologia e capacitação de profissionais como forma de responder à transformação digital e garantir a sustentabilidade do negócio. Investimento em capacitação tecnológica e profissional refletem uma lacuna em Educação, a principal demanda social do empresariado para o setor público. Entre os investimentos, o maior desafio é a busca de mão-de-obra qualificada e a necessidade de investimento e de treinamento e formação de funcionários aparece com o percentual de 90%; a necessidade de inovação para manter a competitividade do negócio com o lançamento de novos produtos/serviços (85%); ampliação em pesquisa e desenvolvimento (70%).

Segundo Emiliana Pomarico, gerente-executiva da Escola Aberje de Comunicação, o objetivo principal dos cursos in company é levar soluções assertivas aos desafios cotidianos das organizações. Os diferenciais desse tipo de curso estão relacionados principalmente à exclusividade de um programa desenvolvido com base no levantamento das necessidades de cada empresa. 

Emiliana Pomarico

“Fazemos reuniões para entender quais os principais desafios vivenciados no dia a dia da equipe, para então oferecer uma proposta adequada à realidade da organização, customizando e adaptando conteúdo e duração das aulas. Após a contratação, também fazemos reuniões de alinhamento de conceitos e exercícios práticos entre os profissionais contratantes e os nossos instrutores selecionados para participarem do programa”, explica. “O curso pode ser feito tanto no formato presencial como online, este último podendo ser ao vivo ou com conteúdo gravado, de acordo com a demanda da organização”, completa.

Metodologia assertiva

Um grande diferencial, portanto, acaba sendo também a metodologia utilizada, com simulações e aplicações práticas, a fim de trazer soluções aos desafios apresentados pelos participantes. “Todas as aulas são acompanhadas pela nossa equipe, que oferecem todo o suporte necessário para a realização do programa. Além disso, todos os participantes recebem uma certificação sob a chancela Aberje e a relação custo/benefício também pode ser destacada como um grande diferencial”, conta Emiliana.

Ela acredita que as empresas estão apostando cada vez mais em cursos in-company por alguns motivos: “primeiro pela assertividade da proposta. Se uma empresa detecta na equipe ou na liderança oportunidades de aperfeiçoamento específicos tanto em técnicas de comunicação, inovação de processos, ou até mesmo atualizações sobre novas demandas atreladas à estratégia da organização, ela pode ter um curso desenhado exatamente para atender essas principais demandas. Segundo é a relação custo-benefício, em que podemos formar a equipe toda de uma organização dentro de um mesmo programa. E se a empresa for associada à Aberje, ela tem mais desconto na contratação”, analisa.

Storytelling no Itaú

Uma média de 20 empresas por ano realizam cursos in-company com a Escola Aberje, como por exemplo: Latam Airlines, Scania, Suzano, Facebook, Warner Bros, Ypê, Basf, Bayer, CPFL, Sabesp, Ebserh, Coca-Cola, entre tantos outros.

No início deste mês, as equipes de Comunicação e de Capacitação de Negócios do Itaú participaram, pela primeira vez, do curso de Storytelling oferecido pela Aberje. Para o gerente de Comunicação e Capacitação do Itaú Unibanco, Pedro Ferreira Jr, “em plena contemporaneidade, com o excesso de informações existente no dia a dia, é preciso criar valor nas mensagens que disseminamos aqui dentro da organização. Precisamos diferenciar nossas mensagens, gerar relevância e criarmos narrativas mais atrativas se faz essencial”.

“O time viu muito valor no curso. Ao mesmo tempo que trouxe embasamento teórico, trouxe ferramentas práticas para construir as melhores narrativas no dia a dia do negócio. Aqui no time tínhamos um desalinhamento de conceitos. Foi importante para equalizar o conhecimento dentro do time, e termos conversas mais consistentes”, conta.

ESG e Diversidade na Suzano

A equipe de Comunicação e Marca, incluindo os times do Corporativo e das regionais da Suzano participou do curso in company de Sustentabilidade / ESG  da Aberje no ano passado pela primeira vez. No entanto, o time já participou de outros cursos da associação. “O retorno do time foi bastante positivo, destacando a riqueza e o dinamismo da programação, além, claro, do preparo e conhecimento dos palestrantes, que realmente nos fizeram refletir sobre a essencialidade das práticas ESG e como ampliar o nosso olhar em todas as oportunidades”, disse a head de Comunicação e Marca da Suzano, Marcela Porto. “Todo o time está empenhado em colocar os conhecimentos adquiridos em prática e muitas ideias já estão surgindo, e esse é um ganho que percebemos em nosso dia a dia como área e também nas relações com outras áreas da empresa”, completa.

Marcela Porto

Marcela conta que, além de capacitar o time, os resultados foram impulsionados e a visão da equipe para um tema tão estratégico da companhia foi ampliado. “Acredito que também podemos contribuir para fortalecer o debate qualificado e o avanço dessa agenda dentro e fora da organização”, avalia..

“Gostaria de parabenizar a Aberje pela proposta do curso que, sem dúvidas, nos trouxe grandes aprendizados. Cursos como este são essenciais para o desenvolvimento e a formação dos times, uma maneira que vejo de enriquecer o repertório, especialmente na temática ESG, que hoje é a principal agenda da nossa companhia e acredito que de muitas outras empresas no Brasil e no mundo”, avalia Marcela. “Times mais conectados às principais agendas da companhia conseguem ter uma melhor visão do negócio e são mais capazes de auxiliar as diferentes áreas a buscarem melhores resultados. Além disso, tornam-se mais engajados em relação a causas como a agenda ESG”.

A equipe da Suzano acaba de começar um novo treinamento, sobre Diversidade, Equidade e Inclusão. “Para essa rodada, além do time de Comunicação e Marca nós chamamos também os líderes do nosso movimento Plural, iniciativa voluntária na companhia que congrega todos os Grupos de Afinidade com os quais trabalhamos. A expectativa, além de aprofundar nosso repertório no tema, é promover o debate e acelerar as transformações que queremos ver na nossa organização”, diz.

Ampliando repertórios

Natália Tamura

Para a professora e instrutora da Escola Aberje, Natália Tamura, coordenadora do curso, os modelos in company são importantes para as empresas porque ampliam seus repertórios e sua capacidade reflexiva, bem como as deixam mais abertas a novas possibilidades de atuação a partir de assuntos que estão em pauta em tempo real.

Quanto à importância da temática Sustentabilidade / ESG durante o curso in company com a Suzano, Natália entende que Sustentabilidade, por se tratar mais de um modo de pensar do que de uma área isolada nas empresas, é uma temática que precisa ser trabalhada cotidianamente das microesferas as macroações. “O curso na Suzano, uma empresa que já atua com seriedade nesse tema, colaborou especialmente para alinhar as equipes participantes sobre fundamentos,  e conceitos e ser um espaço de troca de percepções entre eles. “Foi um grande prazer ouvir as abordagens de instrutores com tanto conhecimento teórico e prático e acompanhar as trocas entre a equipe da Suzano”. 

 

 
Twitter e-Mail Facebook Whatsapp Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.