Caixa alcança lucro de R$ 3,5 BI no 1º semestre de 2015
27 de agosto de 2015
  • English

A Caixa Econômica Federal alcançou lucro líquido de R$ 3,5 bilhões nos seis primeiros meses do ano, aumento de 2,8% quando comparado mesmo período de 2014. No segundo trimestre, o resultado foi de R$ 1,9 bilhão, com evolução de 25,0% sobre o primeiro trimestre do ano. O retorno sobre o patrimônio líquido médio nos últimos doze meses foi de 12,5%.

A carteira de crédito ampliada atingiu saldo de R$ 648,1 bilhões, o que representa 20,7% do mercado e evolução de 17,4% em 12 meses. O crédito habitacional novamente foi destaque, com crescimento de 20,8%, alcançando saldo de R$ 366,6 bilhões e 67,9% de market share.

As operações comerciais com pessoas físicas e pessoas jurídicas totalizaram R$ 196,1 bilhões, alta de 4,9% em 12 meses. Já as operações de saneamento e infraestrutura apresentaram, no final de junho de 2015, saldo de R$ 63,3 bilhões, crescimento de 36,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Com o objetivo de manter a qualidade da carteira, a CAIXA adota modelos de riscos adequados às melhores práticas de mercado, o que contribui com a estabilidade dos índices de inadimplência. Ao final do semestre, 90,8% da carteira de crédito da CAIXA estava classificada nos ratings de AA-C e o índice de inadimplência acima de 90 dias foi de 2,85%.

Para fazer frente ao avanço das concessões, a CAIXA alterou o mix da carteira de produtos de captação, que alcançou saldo de R$ 892,7 bilhões em junho, crescimento de 18,8 % em 12 meses, o suficiente para cobrir 137,7% da carteira de crédito.

O resultado da intermediação financeira alcançou R$ 10,3 bilhões no primeiro semestre de 2015, impulsionado pelos aumentos de 56,4% e de 33,9%, respectivamente, no resultado com títulos e valores mobiliários e nas receitas de operações de crédito, e compensado pela evolução de 42,2% nas despesas de captações, quando comparadas ao primeiro semestre de 2014.

Com foco na sustentabilidade dos resultados, a CAIXA intensificou as ações voltadas para racionalização de gastos e aumento da produtividade, o que refletiu na melhora do índice de eficiência operacional em 2,0 p.p. em 12 meses, alcançando 55,9% ao final de junho. Ao final do semestre, a CAIXA obteve resultado operacional de R$ 1,4 bilhão.

Em junho, a CAIXA era responsável pela gestão de R$ 1,9 trilhão de ativos, aumento de 14,2% em 12 meses, impulsionado principalmente pelos ativos próprios, que apresentaram crescimento nominal de R$ 156,1 bilhões.

No primeiro semestre, a CAIXA injetou R$ 363,2 bilhões na economia brasileira por meio de contratações de crédito, distribuição de benefícios sociais, investimentos em infraestrutura própria, remuneração de pessoal, destinação social das loterias, dentre outros.

A base de clientes do banco alcançou 80,8 milhões de correntistas e poupadores, alta de 6,7% em 12 meses. A carteira de pessoas físicas atingiu 78,6 milhões, e a de pessoas jurídicas, 2,2 milhões, evoluções respectivas de 6,7% e 8,3% em comparação ao primeiro semestre de 2014.

Carteira de Habitação:
As contratações da carteira de crédito habitacional somaram R$ 50,9 bilhões até junho de 2015, dos quais R$ 23,3 bilhões com recursos do FGTS, incluindo subsídios, e R$ 27,2 bilhões com recursos do CAIXA/SBPE, além de R$ 397,0 milhões contratados com outros recursos.

No âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida, no primeiro semestre de 2015 foram contratados pela CAIXA R$ 19,2 bilhões, totalizando 171 mil unidades habitacionais, beneficiando mais de 680 mil pessoas e mantendo os níveis de atividade da construção civil.

Crédito Comercial:
A carteira de crédito comercial atingiu R$ 196,1 bilhões de saldo e R$ 134,7 bilhões contratados no período, valores 4,9% e 6,3% superiores aos registrados no primeiro semestre de 2014, respectivamente.

As operações com pessoas físicas atingiram saldo de R$ 100,2 bilhões, alta de 10,2% em 12 meses. O segmento PJ, no final do período, totalizou R$ 95,9 bilhões de saldo.

Entre os produtos do segmento pessoa física, destaca-se o crédito consignado com volume contratado de R$ 14,7 bilhões e saldo de R$ 55,6 bilhões, crescimento de 9,7% em 12 meses. A participação de mercado foi de 20,9%, em junho de 2015.

Saneamento e infraestrutura:
As operações de saneamento e infraestrutura, que possibilitam investimentos nas áreas de mobilidade urbana, energia, logística, e saneamento básico por exemplo, alcançaram saldo de R$ 63,3 bilhões, com evolução de 36,8% em 12 meses.

Rural:
O Crédito Rural CAIXA atingiu saldo de R$ 6,4 bilhões em junho de 2015, evolução de 77,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Na comparação com o primeiro trimestre de 2015, a evolução foi de 21,6%. As contratações do período atingiram soma de R$ 3,5 bilhões, avanço de 61,2% em 12 meses.

Captações de Recursos:
Uma das principais fontes de recursos para o crédito imobiliário, a poupança da CAIXA apresentou saldo de R$ 232,1 bilhões primeiro semestre de 2015, alta de 5,0% em relação ao mesmo período do ano anterior. Com esse saldo, a CAIXA permaneceu na liderança do mercado, com 35,9% de participação, ganho de 0,7 p.p. em 12 meses.

Em junho de 2015, a CAIXA possuía 60,5 milhões de contas de poupança, crescimento de 8,8% em relação ao primeiro semestre do ano anterior.

Os depósitos à vista apresentaram, em junho de 2015, saldo de R$ 27,9 bilhões, o que representa 19,2% de participação no mercado. Os depósitos de pessoa jurídica foram destaque, com saldo de R$ 15,7 bilhões, evolução de 9,0% em 12 meses. Já os depósitos oriundos de pessoa física alcançaram R$ 12,1 bilhões no semestre, crescimento de 23,1% em relação a junho de 2014.

Os depósitos a prazo somaram R$ 154,3 bilhões no primeiro semestre de 2015, evolução de 18,1% em 12 meses. Os recursos em CDB correspondiam a 62,9% desse total, com saldo de R$ 97,0 bilhões, alta de 17,8% em relação a junho de 2014. Na mesma comparação, os depósitos judiciais aumentaram 18,5%, atingindo saldo de R$ 57,3 bilhões no semestre.

As Letras Financeiras encerraram o semestre com saldo de R$ 41,9 bilhões, crescimento de 28,3% em 12 meses. A Letras Imobiliárias alcançaram saldo de R$ 105,7 bilhões, avanço de 57,5% em 12 meses.

Fundos de Investimento:
No final do primeiro semestre de 2015, a CAIXA administrava 448 produtos de investimento, sendo 423 Fundos de Investimento, dos quais 36 FI de FIC, e 25 Carteiras Administradas. Nesse período, foram lançados 16 fundos de investimentos.

Benefícios Sociais e ao Trabalhador:
A CAIXA, como principal agente operador dos programas sociais do governo federal, contribui ativamente para a erradicação da pobreza e para a melhoria da distribuição de renda da população brasileira. No primeiro semestre de 2015, foram pagos cerca de 82,1 milhões de benefícios sociais, correspondendo a R$ 13,9 bilhões.

O principal programa de transferência de renda, Bolsa Família, pagou cerca de 79,4 milhões de benefícios no período, totalizando R$ 13,4 bilhões.

Em relação aos programas voltados ao trabalhador, a CAIXA foi responsável por realizar 71,4 milhões de pagamentos de benefícios no primeiro semestre de 2015, que totalizaram R$ 99,0 bilhões. Entre eles o Seguro-Desemprego, Abono Salarial e PIS, correspondendo a R$ 18,3 bilhões.

As aposentadorias e pensões aos beneficiários do INSS totalizaram 33 milhões, somando R$ 33,7 bilhões.

A arrecadação do FGTS atingiu R$ 56,2 bilhões e os saques, R$ 47 bilhões. No primeiro semestre de 2015, o Fundo era composto por 137 milhões de contas ativas.

Rede de Atendimento:
A rede de atendimento CAIXA possui 65,7 mil pontos de atendimento, nos quais foram realizadas mais de 3,9 bilhões de transações bancárias. São 4,2 mil agências e postos de atendimento, 29,4 mil correspondentes CAIXA Aqui e lotéricos, e 32,1 mil máquinas distribuídas nos postos e salas de autoatendimento, além de 2 agências-barco e 18 caminhões-agência. A CAIXA conta atualmente com 97,9 mil empregados concursados, além de 15,5 mil estagiários e aprendizes.

 
Twitter e-Mail Facebook Whatsapp Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.