David Grinberg, VP da Arcos Dorados, lança livro “Rotina de Ferro” em live emocionante
23 de junho de 2020
  • English

Em live no Youtube, autor e convidados contaram sobre como foi possível vencer batalha contra o câncer com motivação aplicada dentro do esporte

Por Aurora Ayres

Há dois anos, após concluir uma prova de Ironman, o executivo e triatleta David Grinberg descobriu que tinha um tipo de câncer no sangue. Cinco meses depois estava curado. Da descoberta à cura, uma história encorajadora é contada em seu livro intitulado “Rotina de Ferro – Motivação, disciplina e resiliência de um ironman para vencer o câncer”, lançado no último dia 22, no canal da Aberje no Youtube. Os direitos autorais do livro, publicado em formato e-book pela Editora Planeta, serão revertidos integralmente para a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale).

A live de lançamento do livro contou com a participação de seu médico, o Dr. Nelson Hamerschlak, coordenador do Programa de Hematologia e Transplante de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein e de seu amigo Daniel Schleiniger, vice-presidente de Relações com Investidores da Arcos Dourados, além de Merula Steagall, fundadora da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale). O debate teve mediação do empresário e influenciador digital Marc Tawil.

David Grinberg tem 41 anos e é vice-presidente de Comunicação Corporativa da Arcos Dorados Latam, maior franquia da marca McDonald’s. Como hobby, pratica triathlon de longa distância, o que, além de prazeroso, lhe servia como válvula de escape para uma rotina puxada de um alto executivo. Há dois anos, descobriu que tinha um dos tipos mais graves de linfoma e teve que encarar um tratamento de quimioterapia, além de se submeter a um transplante de medula. É o que ele chama de ‘Rotina de Ferro’. O livro faz um paralelo de toda a rotina de um atleta de triathlon com a rotina que teve que obedecer para superar a doença.

“Os treinos eram muito inspiradores para mim e por ser um atleta disciplinado de ironman, eu nunca pensei que poderia enfrentar uma doença tão agressiva quanto o câncer. O que aconteceu foi que eu não tive opção de escolher a prova que eu queria fazer, como no triathlon, o câncer foi uma prova que me foi imposta. Mas virei para ela e disse: você escolheu a pessoas errada, você não vai ganhar de mim”, conta o executivo, que hoje está em período de remissão da doença.

O livro aborda a convicção de Grinberg de que todos podem superar problemas físicos, psicológicos e de saúde. “É uma história que inspira muita gente a vencer as barreiras da vida”, ressalta uma das pessoas que o incentivou a registrar a sua história, o seu médico Dr. Nelson Hamerschlak, coordenador do Programa de Hematologia e Transplante de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein.

Durante o relato, Hamerschlak contou, de forma emotiva e empática, como é possível a humanização na relação entre médico e paciente. “O processo de cura não é exclusivamente técnico, é um processo holístico que reúne técnica, alma, pensamentos positivos e bem-querer”, declara Hamerschlak.

“Dr. Nelson parecia o meu treinador falando, chegou e me disse: ‘comigo não há outro resultado senão a cura. Você vai passar por toda a resiliência, disciplina, convivência com dor e, se você for um bom aluno, vamos celebrar no final do treinamento’. Saí de lá curado”, resume Grinberg.

Para o executivo, a cura não aconteceria se sua batalha não estivesse conectada a elos familiares e de amigos. “Sou grato por todo apoio necessário, de uma equipe médica brilhante, de uma família que é todo o alicerce, de amigos que me procuravam. Paradoxalmente tive um dos momentos mais felizes da minha vida. Eu via a minha mãe todos os dias, resgatei amigos de longa data, recebi o carinho de tantos colegas de trabalho, além da empresa, que me deu a tranquilidade necessária para enfrentar o tratamento”.

Um dos responsáveis por essa tranquilidade foi Daniel Schleiniger, executivo da Arcos Dourados, a quem Grinberg se reportava na época em que descobriu a doença. Na live, o executivo conta como foi tocado pela história do amigo. “Quando soube do que se tratava, senti que precisava fazer algo que pudesse lhe servir de inspiração. Foi quando eu decidi que faria um triathlon, algo que jamais pensei em fazer. Um plano de longo prazo que servisse para ele controlar sua ansiedade de voltar ao trabalho e de treinar. Eu consegui distraí-lo e ele virou meu coach com dicas de suplementos e exercícios. Eu quis desistir em vários momentos, o David foi meu amuleto ao longo dos 70.3 [também chamada de Half Ironman, uma das formas de triathlon de meia distância]”, revela.

Merula Steagall, fundadora da Abrale – uma das mais conceituadas e importantes associações que trabalha em todo o país para democratizar o tratamento e qualidade de vida de pessoas com doenças hematológicas -, revela que sempre quis retribuir toda a generosidade que a vida lhe trouxe. Aos três anos de idade, ao ser diagnosticada com talassemia, espécie rara de anemia, seus pais ouviram a triste sentença médica de que afilha não chegaria ao quinto aniversário. Hoje, aos 53 anos, além da Abrale, Merula também preside a Associação de Talassemia e comanda o movimento “Todos juntos contra o câncer”.

“Só estou viva graças a o generosidade das pessoas; eu já recebi mais de 3.500 bolsa de sangue. Como eu poderia retribuir tanta coisa boa para um mundo melhor? Nesses anos de trabalho, percebi que, muitas vezes, falta alguém para liderar um processo de debate para colocar na agenda do governo as demandas dos pacientes para que as coisas mudem”, argumenta, lembrando que até 2006, o transplante autólogo de medula, como o que Grinberg fez, não era pago pelos planos de saúde e nem mesmo havia doador de medula óssea no banco brasileiro. “A equipe da Abrale contribuiu muito para que conquistar a inclusão desse tipo de transplante na cobertura dos planos de saúde, por meio da ANS”, completa.

Na ocasião, Merula também parabenizou Grinberg durante a live. “David, você é um exemplo de determinação e garra. Parabéns por sua mensagem de inspiração, disciplina, e compromisso para alcançar a linha da chegada”, saúda. “Todo mundo que pode ajudar é um privilegiado, mas decidir que quer ajudar é uma bênção. Você não é só um ironman, você também é um vencedor do câncer”, conclui.

O livro pode ser adquirido no site da Amazon.

Assista na íntegra:

 
Twitter e-Mail Facebook Whatsapp Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.