Futurologia

O que é uma empresa humanizada?
03 de julho de 2016
  • English

Carinho, amor, alegria, autenticidade, empatia, emotividade, afeto… Não, você não chegou no blog errado. Não é um espaço da tão combalida auto-ajuda, tampouco um canal para fazermos algumas retomadas de comportamentos (valorizados) do passado. #ficaadica:  preste atenção para este conjunto de ideias no mundo dos negócios, e sobre quem vai sobreviver a toda esta crise.

 

tendencias-empresahumanizada

 

O surgimento de modelos gerenciais que viabilizem esta perspectiva, com empresas capazes de envolver e mobilizar pessoas (de dentro e de fora do seu âmbito) em prol da construção de um futuro melhor para elas e para a sociedade, vai fazer recriar o ambiente empresarial e a percepção pública sobre a iniciativa privada. Afinal, quando se introduz a comunicação na esfera das organizações, o fator humano, subjetivo, relacional e contextual constitui um pilar fundamental para qualquer ação comunicativa duradoura e produtiva, como bem raciocinou Margarida Kunsch. Ela é organizadora da excelente coletânea A comunicação como fator de humanização das organizações. Assim, há uma abertura de espaço para a comunicação verdadeira, de valorização de interlocutores, sua integração no ambiente, com possibilidade de criação e revelação de vocações e talentos, assim como para a reinvenção do sucesso e da lucratividade como objetivos de grupo, portanto realmente sustentável como já pregam discursos institucionais.

Humanizar as relações de trabalho é reconhecer verdadeiramente a empresa como um organismo, e não como um mecanismo. Portanto, está sujeita a variáveis emocionais e subjetivas e bastante vinculada a possibilidades de expressão para oxigenação dos comportamentos e das performances – o que se dá, em grande parte, pelo compartilhar de histórias entre seus membros.

Raj Sisodia cunhou o termo “firms of endearment”, explicando ser uma empresa amada pelos stakeholders aos trazer interesses de todos para alinhamento estratégico. São empresas que atendem às necessidades funcionais e psicológicas dos stakeholders, de maneira que encatam e produzem afeto e lealdade. Dá para querer mais? Então, é hora de valorar os ativos intangíveis sim, mesmo num mundo em que a realidade parece sobrepujar tudo.

 

capalivro-storytelling

 

* falo um pouco neste panorama em meu livro “Storytelling: as narrativas da memória na estratégia da comunicação”, que vai ser lançado em evento na Livraria Cultura do Conjunto Nacional na Avenida Paulista em São Paulo/SP a partir das 19h do dia 11 de julho de 2016. Espero você lá!

 
Twitter e-Mail Facebook Whatsapp Linkedin