×

Pesquisa sobre comunicação interna mostra preocupação com objetivos de negócio

Pelo segundo ano consecutivo, em uma parceria entre Ação Integrada, agência associada da Aberje, e SocialBase, foi realizada no Brasil a Pesquisa de Tendências em Comunicação Interna. Para essa edição, participaram mais de 500 profissionais da área que trabalham em pequenas, médias e grandes empresas.

 

O PROFISSIONAL E A ÁREA

A velha discussão sobre onde CI deve ficar continua quente. A maioria dos setores permanece ligado ao RH (44%), mas as Comunicações Corporativas têm se aproximado (34%).

Outro dado que chamou a atenção é a experiência profissional. Comunicadores internos com até cinco anos na área são a maioria: 51%. Nas grandes empresas, o percentual é um pouco maior, de 54%. Porém, inferior ao do ano passado, quando 77% dos respondentes dessas empresas tinham mais de cinco anos de experiência em CI. São indícios de juniorização desses departamentos, principalmente por conta da crise econômica.

 

PLANEJAMENTO E MENSAGENS

74% dos setores de comunicação interna atrelam seus objetivos aos da organização. Por outro lado, a “síndrome da pastelaria” age fortemente, pois 53% dos respondentes não conseguem priorizar a divulgação de mensagens relacionadas aos seus planejamentos.

E aqui talvez esteja o dado mais preocupante desse bloco: apenas 32% das empresas têm planejado como mensurar seus objetivos de comunicação interna. A informação sugere haver uma intenção das áreas em fazer a diferença na estratégia da corporação, mas isso não é exatamente o que é medido (veja adiante mais sobre mensuração).

Questões de RH (16%) e objetivos/estratégias (12%) continuam como narrativas priorizadas. A novidade deste ano é o tema mudanças na empresa (12%) que dobrou sua relevância em relação à 2017. Sinal dos tempos de transformação em todos os mercados.

 

CANAIS

Gestores e Colegas: Ano a ano, a comunicação via liderança tem ganho força. Entre todos os canais pesquisados, os de maior relevância foram dessa categoria — Alta Liderança (97%) e Gestor Imediato (96%). A opinião do colega também ganhou impulso em relação aos canais oficiais. E as áreas de CI enxergam isso de forma positiva, atribuindo 91% à importância dos Colegas Multiplicadores.

Canais digitais: Aqui há um interessante movimento. E-mail (93%) e Intranet (84%) continuam sendo os canais de maior expressão. Porém, as maiores implantações planejadas são de App (30%) e Rede social corporativa (23%). Tendência de coexistência desses canais, com a possibilidade da intranet — espelhada no app e apoiada por newsletters — ser o centro de informação e conhecimento, o e-mail ser priorizado para comunicados oficiais e a rede social vir para dar fluidez a toda informação de momento da empresa, com liberdade para funcionários serem emissores.

Canais impressos: o destaque aqui vai para o mural impresso, que ainda mostra sua força, estando presente em 61% das empresas, contra 48% do mural digital. Por outro lado, 22% planejam aderir ao mural digital, enquanto 4% buscam implantar o mural impresso. Com o tempo, o mural digital deve ganhar espaço em relação ao impresso, mas há uma longa jornada de custos e tecnologia pelo caminho.

 

CAMPANHAS, PROGRAMAS E COMUNICAÇÃO VIA LIDERANÇA

Mesmo que 53% dos respondentes não tenham aumentado seus orçamentos para campanhas, 2018 será um ano em que 63% das empresas investirão em ativações que promovam experiências em relação às suas mensagens. Menos peças e mais vivências é a bandeira da vez.

Programas de Comunicação pelos Gestores e Programas de Celebração — datas comemorativas, conquistas, aniversários etc.- serão as prioridades (19% cada um). Também terão relevância para as áreas de CI as Reuniões de Alinhamento de Metas e Resultados (13%) e os Programas de Geração de Ideias (12%).

Detalhando um pouco mais as iniciativas previstas para comunicação via liderança, há dois focos bastante claros: capacitar os gestores para se comunicarem melhor (24%) e apoiar esses líderes com pautas periódicas (20%). Nas pequenas empresas, se destaca a necessidade de Guias com orientações e, nas grandes, a implantação de Newsletters com informações para esse público.

 

Para Thierry Pignataro, diretor da Ação Integrada, um dos responsáveis pela análise da pesquisa, “apesar das fortes mudanças nos mercados de nossas empresas, a evolução dos processos de comunicação interna tem sido linear e cadenciada. Têm-se priorizado como iniciativas o face a face e os canais digitais e as principais mudanças vem ocorrendo na forma de gerir a área, buscando-se cada vez mais consistência no planejamento e na medição dos resultados. Um caminho que poderá contribuir muito para tornar a área mais estratégica”.