07 de abril de 2021

Novo mundo, novas atitudes

O Fórum Aberje Valor Econômico de Comunicação Corporativa é fruto de uma parceria de longa data entre a Aberje e o jornal Valor Econômico, a fim de discutir a reinvenção da comunicação e as novas estratégias de negócios em um mundo transformado pela pandemia. Separamos alguns dos momentos mais importantes dos quatro encontros

Primeira sessão
Comunicação da Empresa com a Sociedade

“A comunicação foi e é fundamental neste momento. Somos uma espécie de refugiados da Covid-19. É como se tivéssemos perdido nosso território de um dia para outro e nos encontramos no território digital, até então em desenvolvimento, mas que se mostrou essencial para conectar as empresas dos diferentes setores da economia.”

Paulo Nassar
, diretor-presidente da Aberje e professor titular da ECA-USP

“O desafio de ser assertivo, eficiente, construtivo e digital é para todas as empresas. Como elas atuam depende de cada setor. A comunicação é vital, e a relação com a sociedade é fundamental.”

Cristiana Xavier de Brito
, diretora de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Basf para América do Sul

“As empresas têm seu papel na sociedade que não pode ser ignorado. Só o governo não vai conseguir resolver todos os problemas. Temos de participar da vida da sociedade porque, com a comunicação cada vez menos hierarquizada, será mais fácil para a população nos cobrar esse papel. Temos de nos antecipar a isso.”

Hélio Muniz
, diretor de Relações Institucionais, Comunicação, Diversidade e Sustentabilidade da Via Varejo

“Temos várias vitórias, algumas frustrações, mas não podemos perder a fé na ciência. Até por isso lançamos uma campanha em maio cujo mote era ‘A ciência vencerá’, resgatando várias batalhas que a ciência venceu ao longo dos anos, como o sarampo, que na década de 1960 era a doença que mais matava crianças.”

Cristiane Santos Blanch
, diretora de Comunicação e Assuntos Corporativos da Pfizer

“Estamos aqui numa videoconferência por meio de vários tipos de aparelhos e nos demos conta, ao longo desse período, que a carga da bateria deles é finita e que a gente precisa da energia para alimentá-los. Isso sem falar de outros equipamentos. Isso fez com que o setor fosse demandado por sua qualidade, ou seja, a manutenção do fornecimento, acima de tudo, mas com agilidade, confiança, interatividade e compromisso.”

Marcus de Barros
, superintendente de Comunicação Externa da Neoenergia

“Entendemos que um problema dessa dimensão não tem uma solução única e não pode ter protagonistas na solução dessas questões. Era hora de conversar com governos, sociedade, com nossos concorrentes para propor soluções que pudessem aliviar a vida das pessoas. Esse foi o grande aprendizado nesses seis meses.”

Patrícia Audi
, vice-presidente executiva de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil

Segunda sessão
Comunicação Corporativa e a pandemia: o que funcionou, o que mudou e o que precisa mudar

“As áreas de Comunicação tiveram um novo protagonismo em que precisaram orientar os colaboradores ao trabalho remoto, dialogar com consumidores e fornecedores e comunicar ainda mais nossas ações de responsabilidade social e atuação cidadã, além de auxiliar outras áreas da empresa e muitas vezes até liderar os movimentos de transformação digital.”

Fernão Silveira, diretor de Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da Fiat Chrysler Automóveis (FCA) para a América Latina

“Foi um processo de adaptação relacionado a novas maneiras de fazer contato com o colaborador e com o público externo. Por meio de ferramentas, tínhamos de passar segurança e tranquilidade para que eles recebessem as melhores informações disponíveis, diante da inundação de informações que havia logo no início da pandemia.”

Juliana Lopes, diretora de Sustentabilidade, Comunicação e Compliance da Amaggi

“Ficamos muito atentos logo no início em relação aos procedimentos a ser adotados. A Comunicação esteve alerta tentando encontrar um caminho para estabelecer uma relação de confiança com o nosso colaborador. Temos sido bastante presentes e ativos em relação a informações que surgem com essa infodemia.”

Fábio Toreta, superintendente de Comunicação da Sabesp

“Estamos diante de uma crise secular, a mais grave em 100 anos. Além da competência natural das áreas de comunicação e de gestão de crise, os CEOs também tiveram de assumir seu papel de liderança. Todos estamos inseguros. neste momento; é preciso que os líderes apareçam.”

Leandro Modé, superintendente de Comunicação Corporativa e Relações Governamentais do Itaú

“É preciso apoiar a mídia do rádio, da TV e a mídia digital, mas precisamos apoiar o jornalismo de verdade que tem diversidade. Para que a sociedade tenha mais oportunidade, ela começa e termina na imprensa.”

Tonico Pereira, diretor de Comunicação e Sustentabilidade do Grupo CCR

Terceira sessão
Comunicação empresarial e cultura digital: adaptação e emoção

“O grande desafio para o negócio, como é para empresas centenárias de marcas líderes e fortes, é deixar de ser centrado na solução das marcas e do negócio para realmente olhar para as pessoas. Parece óbvio, mas é uma transformação importante que tem gerado bastante resultado.”

Andréa Mota, diretora de Sustentabilidade e Comunicação Corporativa da Coca-Cola Brasil

“Tivemos de adaptar a frequência da nossa comunicação, assim como o conteúdo compartilhado com nossos parceiros, para dar todo o suporte necessário naquele primeiro momento.”

Saulo Passos, diretor de Comunicação da Uber para a América Latina

“Usamos a tecnologia, o uso de dados para conectar os corações e para o entendimento de tudo que está acontecendo. A inovação foi fazer o simples de uma forma diferente. Era o único caminho a seguir.”

Luiz Gustavo Ramos, head de People Experience no iFood

“Primeiro houve um hiato no sentido de se deveríamos ou não nos posicionar. Num segundo momento, vimos grandes players, que já têm sua estrutura de comunicação muito bem estabelecida, conseguindo fazer uma rápida mudança de rota e entender que precisavam se posicionar. Muitas instituições se posicionaram de uma forma como há muito tempo não víamos.”

Julia Leão, head de Connections & Brand Experience na Squid

Quarta sessão
Comunicação da Solidariedade

“Se por um lado tivemos um quadro caótico de polarização, de notícias duras e contraditórias, no momento mais crítico, um fenômeno extraordinário se fez notar: uma rede de líderes, empresários e investidores se organizou num movimento solidário para ajudar o Estado e a sociedade a combater os efeitos imediatos e perversos da crise sanitária e financeira.”

Hamilton dos Santos, diretor-geral da Aberje

“Neste momento de tamanha dificuldade, os valores das organizações realmente afloraram. Três quartos do
PIB mundial transacionam nos nossos sistemas, e com isso temos uma grande responsabilidade de ajudar esse mundo a funcionar melhor por meio das nossas soluções tecnológicas.”

Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil

“A pandemia vai passar, mas os problemas ambientais vão demorar muito mais tempo para ser sanados. Essa aliança que nós fizemos para apoiar a região amazônica e a proteção da floresta é fruto desse momento que estamos passando, pois nos tornou muito mais propensos a trabalhar em conjunto pelo bem da sociedade.”

Candido Bracher, presidente-executivo do Itaú Unibanco

“Tenho a sensação de que, daqui para a frente, temos
de sair dessa zona de inação que vivemos nestas últimas décadas. Acredito que quem não tem opinião e não se posiciona neste momento está fora do jogo. E isso vale para a comunicação.”

Luciano Huck, apresentador da TV Globo, filantropo e empreendedor

“O mundo muda muito rapidamente, independentemente dessa pandemia, e as estratégias estão cada vez mais volúveis, rápidas e racionais. A cultura é o somatório de valores, hábitos e repetições, um componente mais emocional da organização.”

Jean Jereissati, CEO da Ambev