Cristiana Xavier Brito é diretora de Relações Institucionais e Sustentabilidade da BASF para América do Sul, presidente do Conselho Curador da Fundação Espaço Eco e faz parte do Conselho Deliberativo da Aberje.

05 de outubro de 2021

O NOSSO FUTURO
DEPENDE DO DIÁLOGO

O importante é manter a comunicação rápida, aberta e em rede para criar ideias e manter uma conexão entre as pessoas

Cristiana Xavier de Brito

Cristiana Xavier Brito é diretora de Relações Institucionais e Sustentabilidade da BASF para América do Sul, presidente do Conselho Curador da Fundação Espaço Eco e faz parte do Conselho Deliberativo da Aberje.

A comunicação tem como pressupostos criar e interpretar mensagens diversas, disseminar informações efetivamente e provocar respostas do outro dentro de um determinado grupo interlocutor. Desde a popularização da internet, há cerca de 25 anos, estamos vivenciando uma curva crescente de inovação e conexões globais, ainda mais com a quantidade de mídias sociais disponíveis na palma de nossas mãos.

Vivemos em uma sociedade cada vez mais digital em que a velocidade da informação e sua veracidade ganham destaque tanto internamente nas empresas e indústrias como na sociedade de uma maneira geral.

E aqui vou me ater a essa ferramenta tão importante, a comunicação. Ela precisou se transformar e acompanhar o que há de mais inovador hoje para seguir com a mesma velocidade de criação de mensagens, disseminação de informações e provocação de respostas para os mais diferentes públicos, principalmente dentro de uma corporação. Os 25 anos de experiência na comunicação corporativa me permitiram acompanhar de perto o dia a dia de toda essa transformação. Lembro-me bem do dia – 4 de dezembro de 1994 – em que comecei a trabalhar em uma multinacional de tecnologia e liguei para meu pai dizendo que podia me comunicar com os colegas do mundo todo, tudo isso on-line.

Desde o início do surto de Covid-19 pudemos ver quanto a comunicação se tornou uma aliada de todos nós. Na BASF, onde estou há sete anos, não foi diferente! O importante é que estamos falando de uma companhia que tem como propósito criar química para um futuro sustentável e química entre as pessoas para formar uma rede colaborativa do bem.

A população brasileira, ainda mais com o período da pandemia, se manteve extremamente conectada, o que facilita nosso propósito de ligar ainda mais os indivíduos. O Comitê Gestor da Internet do Brasil revelou que, em 2020, o país chegou a 152 milhões de usuários, número 7% superior em relação a dados de 2019. Com isso, 81% da população com mais de 10 anos tem internet em casa. Esse cenário nos confirma que a tendência de consumir conteúdos inovadores e relevantes para cada público cresce cada vez mais. Com essa certeza em mente, como nós, da comunicação de uma empresa que está há 110 anos no Brasil, podemos provocar nosso time por meio de conteúdo? A resposta é clara e simples: conexão. Estamos determinados a manter os diálogos rápidos, abertos e em rede, gerando debates, criando ideias e fomentando inovação.

Um dos grandes exemplos dessa provocação que realizamos é nossa iniciativa de produção de conteúdo chamada Sustentabilidade na Prática, que se estabeleceu como uma plataforma multimídia para apresentar as histórias por trás das soluções da BASF. Além da promoção desse conteúdo junto à imprensa e nas redes sociais da companhia, ele nos permitiu reforçar o tema entre colaboradores e clientes por meio das áreas de negócio da empresa.

E como se comunicar trazendo as pessoas para o centro do debate e permitir que a mudança esteja presente e aparente durante esse processo? Para solucionar essa equação a solução encontrada foi criar um centro de inovação, mantê-lo ativo e cumprindo sua missão. Foi diante desse cenário, em 2019, que nasceu o onono, Centro de Experiências Científicas e Digitais. Seu objetivo é dar espaço para o debate, a efervescência de novas ideias de nossos executivos e a cocriação.

Essas são grandes materializações da maneira com que utilizamos a comunicação como instrumento a favor da inovação promissora, ligando os princípios do ESG (Environmental, Social and Corporate Governance, na sigla em inglês) aos de think tanks, uma união que gera resultados para o meio ambiente, a sociedade e a nossa empresa. Eu sempre gosto de lembrar que tudo isso não é permanente. Portanto, precisamos inovar e estar abertos a outras formas de passar nossa mensagem a fim de provocar reflexões e cocriar ideias.

“Somente juntos conseguiremos construir
um futuro promissor e sustentável”

Não estamos sozinhos, empresas privadas, governo ou sociedade. É importante que haja o diálogo entre esses três atores para a construção de um planeta mais equilibrado. Aqueles que pensam que vão resolver isoladamente todos os desafios impostos pelo avanço desse processo estão fadados ao fracasso, pois somente juntos conseguiremos construir um futuro promissor e sustentável.

Quando a informação é concreta, ela inspira e motiva as pessoas. Por esse motivo, participamos ativamente de vários fóruns de diálogo para discutir o presente, o médio e o longo prazos. O espírito do think tank precisa estar dentro das empresas, e a área de comunicação precisa ser essa investigadora e incentivadora para que haja concretude nas ideias.

Como profissionais da área de comunicação, precisamos ser protagonistas dessa trajetória dinâmica e transformadora da colaboração em rede, na qual a comunicação é elemento fundamental. Só assim podemos fomentar o sentimento de pertencimento, a governança efetiva e a vontade de mudar e cocriar.

O mundo está em contínua mudança, e precisamos estar sempre abertos às novas tecnologias e às novas formas de gerar conteúdos e diálogos.

E você, está preparado, atento e aberto para o que está acontecendo?

 

*Os artigos assinados na revista não necessariamente refletem a opinião da entidade e são de exclusiva responsabilidade dos autores
  1. Início
  2. >
  3. Edições
  4. >
  5. 108
  6. >
  7. O nosso futuro depende do diálogo