Giovanna Chencci

Quando o assunto é comunicação empresarial e formação de profissionais da área, um dos primeiros nomes que vêm à mente é a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, a Aberje. Ao longo de sua história, ela vem oferecendo ao mercado comunicacional uma série de cursos e programas voltados para o aprendizado de seus profissionais. Sempre inovando, a Aberje tem sido fonte de conhecimento para milhares de comunicadores que um dia passaram pela associação.

Passados 50 anos desde sua criação, é possível dizer que hoje a Aberje possui uma escola que foi crescendo, mudando e se recriando. As exigências e demandas do mercado foram se modificando. E eis que neste 2018 nasce a Escola Aberje de Comunicação. “O que nós estamos fazendo agora é dar maior visibilidade para uma área [cursos] que tem toda a história da associação, mas que embaixo do nome Aberje fica escondida daqueles que não estão ligados ao mundo da comunicação”, explica Paulo Nassar, professor titular da ECA-USP e diretor-presidente da Aberje.

Com essa proposta de dar mais espaço aos cursos e programas oferecidos pela associação, a Escola Aberje de Comunicação, carregando toda a autoridade da entidade, chega com o intuito de capacitar cada vez mais profissionais, tanto aqueles da área de comunicação como os de outros departamentos das empresas. Ancorada na reputação adquirida pela entidade ao longo dos anos, a Escola já se consolida no imaginário dos comunicadores como uma referência na área de ensino da comunicação. “A marca Aberje, olhando em uma perspectiva histórica, é fortíssima e reconhecida internacionalmente no campo do conhecimento e da informação”, lembra Nassar.

Na atual realidade das organizações, mais do que nunca a informação está nas mãos de todos os colaboradores, assim como sua imagem e sua reputação. Hamilton dos Santos, diretor geral da Aberje, afirma que “há uma mudança relevante, onde não é só a área de comunicação corporativa das empresas que precisa formar e reciclar profissionais em relação à comunicação, mas todas as áreas”. Para ele, a Aberje tem hoje um foco grande em pensar comunicação, não só como uma função, mas como uma competência que qualquer profissional precisa ter. “Queremos ofertar programas e cursos que ajudem as companhias a desenvolver não apenas a comunicação de seus negócios, imagem ou engajamento com seus funcionários, mas que também ajudem e façam a diferença no desenvolvimento do negócio como um todo.”

Do ponto de vista prático, em um primeiro momento as mudanças não serão muito profundas. Os principais programas educacionais da Aberje, como o MBA em parceria com a ESEG, o Curso Internacional, desenvolvido com a Universidade de Syracuse, nos Estados Unidos, os Programas Avançados e os cursos livres, serão mantidos, mas sempre com o objetivo de aumentar ainda mais o cardápio do que já é oferecido. A Escola virá com novas propostas de ensino, seguindo os atuais direcionamentos que o mercado da comunicação demanda, de modo a incluir profissionais de diferentes áreas. “No começo, a Escola será uma área da Aberje como hoje ela é, mas mais preparada, com uma identidade própria e apta para alçar voo”, explica Santos.

Para atender cada vez mais profissionais e suas necessidades de formação e desenvolvimento, Emiliana Pomarico, gerente de Cursos na Aberje, explica que haverá “uma contínua atualização de metodologias para criarmos ações de excelência na geração e na disseminação de conhecimentos em comunicação”. Ela dá exemplos de práticas como o compartilhamento de experiências e casos de sucesso, a realização de dinâmicas e de exercícios práticos, visitas de benchmarking, produção de pesquisas e publicações na área, além de simulações para solucionar desafios reais que estão presentes nas empresas.

Emiliana Pomarico, gerente de Cursos da Aberje

A expectativa é que a Escola Aberje de Comunicação seja lançada ainda no primeiro semestre de 2018. Sobre seu futuro, Nassar afirma que depende fortemente das ações que estão sendo feitas agora pela Aberje. Para Santos, é preciso que essa nova escola se apresente de forma mais ampla como uma verdadeira instituição de ensino de comunicação, destinada aos mais diversos públicos. “Muitas vezes a Aberje, até pelo nome, fala mais diretamente com as áreas de comunicação ou as agências, mas ela não é uma entidade conhecida para além desse público. Então, nós queremos apresentar de forma mais aberta que somos também uma escola de comunicação para negócios”, completa.