Danilo Thomaz

A emergência por novas formas de planejamento urbano e comunicação marcou as palestras e debates do primeiro encontro do Lab de Comunicação para Mobilidade, realizado pela Aberje em parceria com a GM nesta quinta-feira (29/9).

evento-aberje-mobilidade-29-16

Marcos Munhoz, Vice-residente da General Motors do Brasil (Imagem: Evandro Moraes)

Professor da Poli USP e ex-secretário de Transportes de São Paulo, Miguel Bucalem, focou sua fala na questão do planejamento estratégico de longo prazo para as cidades e os desafios da mobilidade urbana.

Valendo-se do exemplo do Plano Estratégico da cidade de São Paulo – SP 2040 –, Miguel apresentou diretrizes que devem nortear a concepção do planejamento de uma cidade: a coesão social; o desenvolvimento urbano; a melhoria ambiental; a mobilidade e acessibilidade e oportunidade de negócios. “Um plano estratégico inspira a cidade a buscar um caminho de longo prazo. Deve ser visto como uma agenda de sucesso e deve pertencer à cidade, não a uma gestão”, afirmou. “Uma vez que você assenta uma população, transforma o local em bairro, você tem que garantir transporte, emprego.”

img_3453

Miguel Bucalem, Professor da Poli USP e ex-secretário de Transportes de São Paulo (Imagem: Evandro Moraes)

O engenheiro e assessor da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Eduardo Vasconcellos, desmontou alguns mitos comunicados ao usuário e cidadão a respeito da mobilidade – começando pelo número de carros em São Paulo. “Essa história que São Paulo tem 7 milhões de automóveis é mentira. Os dados de frota no Brasil representam 70% do que o Denatran diz. A frota de São Paulo é, na verdade, de 4 milhões, e isso já é um número gigantesco”, afirma o engenheiro, para quem o custo da desinformação na mobilidade é muito alto e impede a formulação de políticas adequadas.

evento-aberje-mobilidade-29-49

Eduardo Vasconcellos, engenheiro e assessor da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP) (Imagem: Evandro Moraes)

Assunto recorrente quando se fala em mobilidade, o aumento da oferta de transporte público não é, segundo ele, a maneira de fazer com que as pessoas deixem de dar preferência ao transporte individual. “A questão é o custo do transporte. No Brasil, o custo diário de usar transporte público e automóvel é de (em média) R$ 3,50. Com isso, quem vai andar de ônibus?”, disse. “Para andar de carro em Madrid, Paris e Berlim o custo chega a ser 7 vezes maior do que o transporte coletivo.”

O urbanista Candido Malta focou sua fala na importância da questão metropolitana para o planejamento urbano. “Não há possibilidade de resolver o problema da mobilidade sem levar em conta os municípios interligados”, afirmou.

evento-aberje-mobilidade-29-84

Candido Malta, urbanista (Imagem: Evandro Moraes)

Segundo Malta, essa necessidade se dá pelo fato de haver uma enorme circulação de pessoas entre cidades próximas, como São Paulo e as cidades do Grande ABC. Desse modo, as políticas realizadas nesses municípios acabam por interferir na vida das outras cidades, sobretudo na questão da mobilidade. “O mesmo horizonte de tempo do município tem que ser o do governo do Estado e não tem sido. O governo estadual deve dar um limite para investimentos municipais tendo em vista a gestão metropolitana”, afirmou.

Outra questão fundamental para a mobilidade, de acordo com Malta, é a integração de políticas públicas. “Essa dissociação [entre as políticas] é um atraso. Superar isso é fundamental. Como você vai planejar as viagens sem saber onde as pessoas vão morar?”, afirmou o urbanista que defende também a participação da sociedade nas decisões. “O planejamento urbano tem que fazer parte do processo democrático”, disse. “É fundamental para a continuidade do plano diretor que ele seja ajustado a essas novas demandas políticas e da sociedade.”

Leão Serva, Jornalista especialista em questões de mobilidade

Leão Serva, Jornalista especialista em questões de mobilidade (Imagem: Evandro Moraes)

Coordenador da pesquisa de Origem e Destino do Metrô de São Paulo, o arquiteto e especialista em Planejamento do Metrô de São Paulo, Luiz Cortez, apresentou ao público a metodologia da pesquisa realizada pelo metrô desde 1957, que mostra os modos de locomoção do paulistano dentro da cidade e serve de base para a formulação de políticas públicas no setor e ações de mobilidade no setor privado. Entre as transformações necessárias no atual momento, no que diz respeito à mobilidade, é a questão da mudança de horários de escolas, por exemplo, para diminuir o fluxo de pessoas nos horários de pico. “Nós temos observado um aumento do fluxo de pessoas nas horas de pico, inclusive na hora do almoço, quando os jovens saem da escola. Isso ainda não foi solucionado”, alertou o especialista que defende a importância de uma boa comunicação da pesquisa Origem e Destino, como forma de melhor servir à população. “É importante que a imprensa nos ajude no processo de divulgação e que as pessoas atendam aos pesquisadores, abram suas casas, de modo a ampliar a produtividade da pesquisa.”

evento-aberje-mobilidade-29-122

Luiz Cortez, Coordenador da pesquisa de Origem e Destino do Metrô de São Paulo, o arquiteto e especialista em Planejamento do Metrô de São Paulo (Imagem: Evandro Moraes)

Jornalista especializada em mobilidade e criadora do projeto Cidade para Pessoas, Natália Garcia pesquisou o tema em doze países, entrevistando autoridades, especialistas e observando o funcionamento de diferentes cidades do mundo.

evento-aberje-mobilidade-29-127

Natália Garcia, Jornalista especializada em mobilidade e criadora do projeto Cidade para Pessoas (Imagem: Evandro Moraes)

No Brasil, segundo ela, “70% dos deslocamentos têm como destino escola ou trabalho”, o que demonstra a falta de comunicação entre a população e o poder público a respeito do entendimento da cidade enquanto espaço de convivência.

O Lab

Na abertura, o vice-presidente da GM, Marcos Munhoz afirmou que “o tema de mobilidade urbana é parte intrínseca do nosso negócio”, movendo os processos de inovação da empresa, que acaba de lançar no Brasil o Maven, seu programa de compartilhamento de carros, já em uso nos EUA. “O programa busca fazer você usar o automóvel da maneira mais produtiva possível”, afirma Munhoz.

Os próximos encontros acontecem nos dias 24 de Outubro e 11 de Novembro. As informações completas você encontra aqui.