Estúdio Aberje | Apresentado por CPFL Energia

 

Clóvis de Barros Filho e Leandro Karnal debatem no Café Filosófico CPFL

Clóvis de Barros Filho e Leandro Karnal debatem no Café Filosófico CPFL

Existe, no Brasil, um público ávido por conhecimento. Esse público busca não apenas informação, mas experiências de interação com quem se propõe ao diálogo e à reflexão. Não se trata de um caminho de mão única, pela qual os detentores do conhecimento falam e uma multidão escuta. Trata-se de um público ativo que transforma leitura em coautoria, passividade em engajamento, conhecimento em compartilhamento. E transforma palestras em formatos tradicionais em verdadeiros encontros e trocas de experiência.

Há mais de dez anos a CPFL Energia deu início a um projeto cultural que, entre outras atividades, transformou o Café Filosófico CPFL num dos mais tradicionais e prestigiados programas de debate e reflexão do país. Os encontros são abertos ao público, transmitidos ao vivo, disponibilizados no site e no aplicativo, compartilhado nas redes e, posteriormente, editados e exibidos na TV aberta. O detalhe é que, tanto na transmissão online, pelo chat, quanto durante o evento, o público é convidado a participar e interagir com perguntas, comentários, contrapontos.

Nesse período de atividades, hoje sob a responsabilidade do Instituto CPFL, foi possível notar o interesse crescente do público em debater as questões mais íntimas e delicadas do sujeito contemporâneo. Prova disso ocorreu no dia 21 de junho deste ano, uma noite fria de inverno que chegou a reunir quase 15 mil pessoas para debater o livro “Felicidade ou Morte” com os autores da obra, o filósofo Clóvis de Barros Filho e o historiador Leandro Karnal. Parte do público, vindo de várias cidades, acompanhou o debate na plateia do Teatro Castro Mendes, em Campinas; mais de duas mil pessoas, do lado de fora, por meio de um telão; o restante, por meio da transmissão online.

Em tempos de comunicação em rede, em que o público não apenas ouve e absorve, mas reflete, comenta e compartilha, a repercussão atingiu índices superlativos. Disponibilizado no site no dia seguinte, um único trecho do encontro gerou 1,1 mil comentários e 511 mil visualizações.

Tanta gente disposta a se reunir para debater ideias mostra por que a cultura é considerada um elemento central na organização das sociedades contemporâneas. Essa premissa foi adotada há mais de uma década pela CPFL Energia, uma empresa que não apenas gera, distribui e comercializa energia elétrica, um bem indissociável do bem-estar e do desenvolvimento econômico, mas que também ajuda a iluminar, por meio de encontros como o de 21 de junho, os dilemas da nossa sociedade.

“Na escuridão da crise que vivemos, cada um que ouvi hoje aqui é uma vela forte, decidida, luminosa, com luz própria”, disse Leandro Karnal ao fim do encontro. “Esse é o Brasil do futuro, e o futuro é de quem ama”, resumiu.