Voz

Será que nós temos consciência da dimensão do poder da palavra falada, como ela está permanentemente presente no nosso dia a dia e como ela determina nossa realidade?

A palavra falada é que deu origem a comunicação humana e a responsável pela formação da linguagem. Não é apenas uma das formas de comunicação, ela é a essência da nossa comunicação. Ela está presente em nossas vidas antes mesmo de nascermos

A oralidade é uma das modalidades do uso da língua ao lado da escrita, e é a responsável pela manifestação da nossa pessoa, da nossa personalidade.

A palavra “pessoa”, nas raízes grega, hebraico e no latim, tem o mesmo significado etimológico, ou seja, person, persona, personare, quer dizer “por som, através da voz”.

O livro O Efeito Mozart, de autoria de Dom Campbell, relata as experiências do Dr. Alfred Tomatis, M.D., médico francês, dedicado a pesquisas sobre a audição humana nas quais ele descobriu que a voz da mãe serve como cordão umbilical sônico para o bebê em desenvolvimento e também como fonte primeira de estímulo.

O autor afirma que o feto é capaz de escutar. O ouvido é o primeiro “órgão” a se desenvolver no embrião, ou seja, o que a futura mamãe ouve, sejam as suas músicas preferidas, as conversas, ou outros sons, é ouvido também pelo futuro bebê a partir dos quatro meses e meio de gestação, e interfere nas características dele que começam a se manifestar já nos primeiros meses de vida.

Tomatis afirma que “a nutrição vocal que a mãe provê é tão importante como o seu leite para o desenvolvimento da criança”. O primeiro choro é que marca o início da nossa vida. Antes de darmos os primeiros passos, já pronunciamos as primeiras palavras. A criança passa a aprender, desde bebê, que a voz é o instrumento básico para o relacionamento com o mundo. A voz, de muitas maneiras, é a função do corpo que mais se expõe e que mais expõe a nossa individualidade, nossas particularidades, nossa alma.

Ele descobriu que “a voz só pode reproduzir o que o ouvido pode ouvir”, uma teoria com aplicações práticas profundas para o desenvolvimento da linguagem – inicialmente ridicularizada, mas depois amplamente aceita pela Academia Francesa de Medicina. Os batimentos cardíacos estão particularmente sintonizados com sons que determinam a musicalidade de todo o corpo, enquanto a base da voz é a respiração. Aspiramos o ar, o levamos de nossos pulmões até as profundezas das células e o devolvemos ao mundo.

No grego, a palavra “respiração” significa espírito, fôlego. A palavra hebraica ruach significa não só espírito do gênese flutuante sobre a terra, o espírito de Deus pairava, vibrava sobre os elementos, mas também o hálito de Deus.

Se aprender a falar é o primeiro passo, supondo que o estudo das palavras se conclui o estudo das ideias, aprender a ouvir é o segundo passo e com certeza uma das questões centrais no desenvolvimento educacional. Ao ouvir aprendemos mais a pensar do que falar, porque esta audição é feita pela própria substancia da palavra, dando a retórica apenas uma função reguladora e exterior.

Descubra como o poder da sua voz pode transformar sua vida!

No dia 30/11 e 01/12, Jorge Cury Neto irá ministrar o curso da Aberje Voice Design: Oralidade Profissional Aplicada. Inscrições abertas no link.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.