×

Colunas

Pesquisa em comunicação: 6 questões para as melhores práticas

Como construir o planejamento do diagnóstico e medição em qualquer programa de comunicação?

Outubro: mês dos planejamentos de comunicação na maior parte das empresas. Como acomodar os diferentes eventos, ações e garantir diagnósticos que permitam afinar a melhor forma de atingir os objetivos de comunicação e as métricas adequadas que garantam o monitoramento e contribua para demonstrar (e justificar) os resultados esperados.

Para isso, algumas questões devem ser respondidas:

  1. Você tem um projeto com medição? Ele obedece às melhores práticas da área?
  1. Você tem profissionais de comunicação com conhecimento em diagnóstico, medição e mensuração que participam do planejamento de sua empresa? Ou ainda, você tem um consultor, profissional da área, agregado ao processo?
  1. Você projetou um bom cronograma para o planejamento (diagnóstico), para o monitoramento e para a medição?
  1. Quais são as perguntas importantes a fazer e/ou dados a reunir e/ou egos a enfrentar antes de planejar o diagnóstico, monitoramento e medição?
  1. Você sabe escrever briefings para concorrências e RFPs que envolvam diagnóstico, monitoramento, medição e avaliação?
  1. Você conhece as políticas da empresa importantes para negociar um projeto de diagnóstico ou medição para o planejamento de comunicação?

 

A final destas seis questões é possível que percebamos que fizemos a pergunta errada! O planejamento do diagnóstico, monitoramento ou medição deve ser parte integrante e obrigatória do planejamento de qualquer programa de comunicação. Idealmente, o planejamento para o diagnóstico e medição e o planejamento estratégico devem acontecer ao mesmo tempo.

Uma vez que isso seja compreendido, a pergunta mais apropriada será: “Como construir o planejamento do diagnóstico e medição em qualquer programa de comunicação?”.

Cristina Panella
Cristina Panella
Doutora em Sociologia pela E.H.E.S.S. – Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (França), mestre em Antropologia Social e Cultural pela Sorbonne (Université René Descartes – Paris V, França) e mestre em Formação à Pesquisa em Ciências Sociais, também pela E.H.E.S.S., especialização em Management of Business Communication pela University of Florida (EUA). À frente de sua empresa de consultoria e curadoria é também associada senior da BMI Blue Management Institute. Tem experiência nacional e internacional nas áreas de consultoria, comunicação e marketing, pesquisa de mercado e opinião, principalmente na área de imagem e reputação. Foi professora convidada da Escola de Comunicações e Artes da USP – Gestcorp, do INPG – Instituto Nacional de Pós-Graduação, FAAP e Centro Universitário Belas Artes. Palestrante e autora de artigos e colunas nas áreas de comunicação e pesquisa, notadamente na área de metodologia, indicadores e índices de reputação.

Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.

string(6) "Aberje"

Conheça alguns highlights do Tech Trends Report 2020

2030 está mais perto do que pensamos

Coronavírus: pessoas vêm antes de lucro financeiro

Combate à corrupção: da visibilidade à prática