Buffet, Bill e Melinda Gates na Carta Anual divulgada pela Fundação do casal

Buffet, Bill e Melinda Gates na Carta Anual divulgada pela Fundação do casal

Dez anos após doar parte da sua fortuna à Fundação Bill & Melinda Gates, o bilionário Warren Buffet escreveu uma carta ao casal para convidá-los a refletir sobre o mundo atual e seu papel na sociedade.

A resposta foi dada no Relatório Anual da Fundação, que abandonou completamente a linguagem sisuda e o formato exaustivo que esses documentos geralmente têm. Ainda que extenso, o relato dos Gates manteve a essência de uma carta: simples, direta e informal.

Bill e Melinda mostraram alguns pontos:

• A comunicação deve explorar os mais diversos recursos narrativos para tornar uma mensagem mais atraente. O Relatório Anual nada mais é que uma prestação de contas aos stakeholders e pode tornar-se muito mais leve, por exemplo, em forma de diálogo.

• Os números também saem ganhando quando a criatividade entra em cena. Os dados foram contextualizados pelo casal como se estivéssemos todos sentados ao redor de uma mesa. O formato e a linguagem deram alma ao balanço da organização.

• Como em qualquer conversa entre amigos, o passado pode ser resgatado. Ao mesmo tempo em que acentua a informalidade, cria também uma cumplicidade com o leitor. Bill e Melinda optaram por salpicar histórias curiosas, como um almoço no Mc Donald’s de Hong Kong que Buffet pagou com cupons.

• Imagens, infográficos e vídeos podem ser utilizados para aumentar a leitura e torná-la mais prazerosa. Um Relatório Anual ou de Sustentabilidade exige geralmente um bom investimento de recursos por parte de uma empresa. A importância desse relato é infelizmente desproporcional ao índice de leitura e aproveitamento das informações expostas no documento. A virada desse jogo pode estar na utilização da tecnologia e do design.

• É possível narrar experiências e sentimentos vividos sem soar piegas. O criador de IBM revelou até ter chorado ao conversar com um grupo de mulheres na Índia.

O Relatório Anual da Fundação Bill & Melinda Gates, ou a Carta Anual como eles denominam o documento, não reinventa a comunicação com investidores e com o público em geral, mas a torna mais significativa e difusa. Insere o propósito e os valores na narrativa e, principalmente, transforma em realidade o mantra das redes sociais: não há mais B2B ou B2C; há H2H. E isso vale para o business, para a filantropia e para a Comunicação.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.