×

Colunas

(Novas) tendências no lobby e em comunicação estratégica?

Andréa Gozetto
Renard Aron[1]

 

A atividade de relações governamentais tem como objetivo mudar políticas públicas através de um diálogo contínuo entre o poder público e a sociedade. O cresceste poder da opinião pública e o protagonismo da sociedade civil neste processo merece maior atenção dos profissionais de relações governamentais, principalmente no que se refere a ampliação do escopo das atividades de lobby.

Observe-se a ação de alguns grupos de interesse que tradicionalmente se utilizam de estratégias diretas de lobby (insider lobbying[2]) e que tem buscado diversificar seu arsenal, passando a lançar mão de estratégias indiretas (outsider lobbying[3]). A campanha “Não vou pagar o pato[4]” da FIESP e o Boletim “CNI em Ação” de novembro de 2015, no qual os industriais são incentivados a enviar e-mails para a Casa Civil da Presidência da República com o objetivo de pressionar o governo a dar andamento a acordos internacionais já negociados são excelentes exemplos.

É interessante notar que entidades como a COBAP que representa os aposentados, pensionistas e idosos também mobiliza a sua base através de abaixo assinados e, ao mesmo tempo, mantêm forte presença junto aos parlamentares, principalmente no Senado Federal, participando de reuniões na Casa e contribuindo para o lançamento da “Frente Parlamentar em defesa da Previdência Social”.

Nos exemplos acima a sociedade se manifesta via entidades representativas de um setor ou grupo com interesses comuns e bem definidos.  Estratégias de “grassroots”, ou mobilização da base de apoio são utilizadas tanto pelos empresários, no caso da CNI, quanto pelos aposentados, no caso da COBAP.  Vê-se, no entanto, que a sociedade está se engajando cada vez mais em temas de seu interesse sem depender da liderança de entidades representativas, mas participando do debate público via “click” espontâneo do computador, onde o confronto de ideias se dá em plataformas como Youtube, Facebook e Twitter. A participação política, a expressão de pontos de vista e a pressão direcionada aos tomadores de decisão não se restringe mais ao Congresso Nacional ou ao Poder Executivo.

Porém, grande parte das entidades representativas permanecem atuando da mesma forma, deixando de aprimorar as suas estratégias de lobby. Enquanto isso, nos E.U.A. as “issue advocacy NGOs” (ONGs engajadas em advocacy) tem demonstrado efetividade ao canalizar o sentimento coletivo e comunicar-se através de uma linguagem visual e emocional.

Diversos exemplos podem ser apresentados, tais como a campanha do Greenpeace no Youtube (VW: The Dark Side[5]), no Twitter (#VolkswagenScandal[6]) e no Facebook que ataca a Volkswagen desde 2011 devido a sua posição quanto a propostas pela restrição da emissão de CO2 na Europa. O vídeo do Greenpeace leva a “batalha” sobre o controle das emissões de CO2 para as redes sociais e coloca em xeque a reputação da empresa.  Outra campanha de grande impacto promovida pelo Greenpeace foi a que versava sobre a associação estabelecida entre Lego e Shell, haja vista que a Shell se posicionou a favor da exploração do petróleo na Antártica.  O grande sucesso do vídeo (LEGO: Everything is NOT awesome[7]) com mais de 7.5 milhões de visualizações e a campanha de coleta de assinaturas a ele associado levou o Lego a terminar sua parceria com a Shell.

Em um ambiente mais aberto, onde o debate sobre políticas públicas não mais permanece restrito aos corredores do poder é necessário construir uma estratégia de comunicação em políticas públicas diferente, mais moderna e conectada com as novas tecnologias da informação. Considerar essa questão é especialmente importante quando se trata de mudar a opinião ou a atitude do tomador de decisão, pois este não pode ser tratado de forma isolada e desconectada do seu entorno. Argumentos técnicos continuam importantes, mas a forma de comunicar posicionamentos deve tocar o coração, não somente as mentes.

[1] Possui MBA em Finanças pela The George Washington University e bacharelados em Engenharia Geológica pela Montana College of Mineral Science and Technology e em Ciências Geológicas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Atualmente é Vice-Presidente de Relações Governamentais para América Latina do grupo Johnson & Johnson, constituído pela divisão Consumo (produtos de higiene e cosméticos), Janssen (medicamentos) e Medical (implementos e equipamentos médicos), onde também ocupou o cargo de Diretor Sênior de Relações Governamentais. Antes de assumir a atual posição, foi diretor de Public Affairs e Comunicação da Novartis Brasil, onde era responsável pelas áreas de relações com o governo, comunicações interna e externa e cidadania corporativa. Também trabalhou na Novartis como diretor de Public Affairs para a América Latina, em Washington. Ainda em Washington, foi diretor executivo para América Latina da Pharmaceutical Research and Manufacturers of America (PhRMA), trabalhou como consultor independente representando interesses brasileiros em Washington, ajudou a fundar e ficou à frente do escritório da Patri Políticas Públicas em Washington e foi Diretor Executivo da seção americana do Conselho Empresarial Brasil-EUA (CEBEU) sediado na Câmara de Comércio Norte Americana. Começou a sua trajetória em Washington trabalhando no Departamento de Comércio Norte Americano.

[2] As estratégias diretas de lobby são utilizadas para influenciar os tomadores de decisão através de interação direta (conselhos, consultas públicas ou contatos pessoais). Por isso, privilegia a utilização dos contatos previamente construídos no bojo do processo de tomada de decisões.

[3] Já as estratégias indiretas de lobby o fazem de maneira indireta, através da mobilização da opinião pública. De forma geral, há quatro estratégias indiretas:  mídia; informação, mobilização e protestos. A grande diferença entre essas estratégias é a forma como o tomador de decisão é acessado.

[4] http://www.naovoupagaropato.com.br/

[5] https://www.youtube.com/watch?v=nXndQuvOacU

[6] https://twitter.com/search?q=%23volkswagenscandal

[7] https://www.youtube.com/watch?v=qhbliUq0_r4

Andréa Gozetto
Andréa Gozetto
Cientista Política especializada em Relações Governamentais, Lobby e Advocacy, doutora em Ciências Sociais pela Unicamp (2004) e mestre em Sociologia Política pela UNESP-Araraquara (1998). Cursou o pós-doutorado em Administração Pública e Governo pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV). É coordenadora acadêmica executiva do “MBA em Economia e Gestão - Relações Governamentais” e do curso de curta duração “Advocacy e Políticas Públicas: Teoria e Prática” do Programa de Educação Continuada (PEC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV|MGM), professora convidada do MBA em Gestão Pública do Centro Universitário SENAC e orientadora/pesquisadora do MBA em Gestão Pública Municipal da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). É consultora da Gerência de Desenvolvimento Associativo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para a “Oficina de Mobilização para defesa de interesses da indústria”. Possui uma coluna mensal em que discute as tendências atuais para a área de relações governamentais na webpage da ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial). Publicou diversos artigos sobre defesa de interesses no Brasil, tais como: Interest groups in Brazil: a new era and its challenges (2014), Lobby e Políticas Públicas no Brasil (2013), Lobby e Reforma Política (2012), Lobby: instrumento democrático de representação de interesses? (2011) e Estratégias de ação dos grupos de interesse empresariais e de trabalhadores no Legislativo federal brasileiro (2011). Endereço para acessar o currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3377243585930786

Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.

string(6) "Aberje"

Conheça alguns highlights do Tech Trends Report 2020

2030 está mais perto do que pensamos

Coronavírus: pessoas vêm antes de lucro financeiro

Combate à corrupção: da visibilidade à prática