Plataformas digitais conectam jovens à agricultura

millenials

Nascidos entre 1980 e meados de 1990, os millenials – ou também conhecidos como geração Y – têm características bastante marcantes. São ávidos por tecnologia e inovação, estão sempre conectados, têm perfil questionador, querem contribuir ativamente para a sustentabilidade do planeta e priorizam o acúmulo de experiências.

Esse tipo de comportamento reflete a atual era da Transformação Digital, na qual vemos as plataformas tecnológicas invadindo o dia a dia das pessoas, ampliando exponencialmente o alcance e a velocidade das nossas ações e transformando as formas de interação e conveniência na vida contemporânea. Isso tem sido possível graças à popularização de acesso à banda larga. Segundo relatório da União Internacional das Telecomunicações (UIT), órgão da ONU, cerca de 95% da população global vive em uma área coberta por uma rede móvel 2G básica, o que corrobora para a construção de uma sociedade conectada, que consome cada vez mais serviços online.

Se para aqueles que nasceram antes da década de 1980, o conhecimento estava presente nas antigas enciclopédias, para os millennials a Internet é sua maior fonte de informação; uma gigantesca biblioteca online que apresenta conteúdos em variados formatos tais como texto, imagem, vídeo, foto, som e gráfico, revelando sua nova forma de aprender. Para esses jovens, mapas em papel são objeto de curiosidade, uma vez que têm ao alcance dos dedos os apps mais modernos de navegação para sua mobilidade.

É a geração com esse perfil que até 2020 corresponderá por 35% da força de trabalho na América Latina, segundo pesquisa realizada pela ManpowerGroup. E é nessa direção que caminha o agronegócio, uma vez que esses jovens estão trazendo a inovação necessária para os campos, revolucionando os tradicionais métodos de produção e aplicando tecnologia de ponta como drones, apps, sistemas colaborativos e imagens de satélite para melhorar a produtividade, preservar os recursos naturais e gerar alimentos à população global. Além de estarem super conectados para compartilhar e trocar experiências com agricultores do Brasil e de qualquer parte do mundo com poucos cliques.

Mais do que aplicar a inovação tecnológica na agricultura, os millenials são considerados os porta-vozes do futuro sustentável, trazendo a consciência ambiental e social para as práticas agrícolas. E, para promover essa mensagem, 85% deles são ativos diariamente nas redes sociais via smartphones, sendo Facebook e Youtube e Instagram respectivamente os canais preferidos segundo estudo da Smartme Analytics.

Vistos como os líderes do futuro, empresas e instituições ligadas ao setor agrícola tem estimulado a participação e o engajamento dos millenials nos desafios relacionados à produção mundial de alimentos e à sustentabilidade. A Unesco, por exemplo, promoveu na América Latina e Caribe, um seminário voltado à educação para o desenvolvimento sustentável, no qual jovens líderes de 13 países se reuniram para discutir questões relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O Youth Ag-Summit, uma iniciativa global para inspirar e conectar a nova geração à agricultura está criando possibilidades para que os millenials pensem em soluções para os desafios crescentes do setor. Na edição de 2017, a conferência mundial promovida a cada dois anos pela Bayer reuniu 16 jovens da América Latina que já estão transformando as realidades em seus países com base nos insights vivenciados. A edição 2019, que será realizada no Brasil, já está em fase de preparação e, para saber mais sobre o evento, basta seguir as redes sociais do Youth Ag-Summit (Facebook e Instagram).

Interessados em coproduzir para construção de um futuro melhor, os millenials já fazem parte da nova geração do agronegócio. Promover experiências e utilizar as plataformas digitais para conectá-los e engajá-los com as problemáticas do setor é, sem dúvida, um caminho de sucesso para dar voz e poder de ação a essa jovem liderança.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.