×

Colunas

Comunicação e sua responsabilidade

Publicado originalmente no LinkedIn de Marlene Marchiori, 20 de março de 2020

A comunicação organizacional, por ser estratégica, define conjuntamente os pilares que embasam o processo de gestão que o mundo vive em relação ao COVID-19: saúde e segurança das pessoas; olhar mais amplo, envolvendo a sociedade e o mundo; atendimento ao cliente, parceiros e fornecedores.

Estudos e análise de experiências em diversos países colaboram na apreciação dos caminhos para este enfrentamento mundial. Como profissionais de comunicação, temos nossas responsabilidades e devemos assumir essa batalha com assertividade, criatividade e zelo com o bem-estar. Fundamental agirmos, a partir daquilo que ouvimos e vemos.

Temos observado e vivenciado algumas práticas:

Sensibilizar, conscientizar e reeducar a equipe para uma nova maneira de se relacionar, com uma preparação para essa transição.

Atuar com Comitê de Crise para tomada de decisão mais rápida e com equilíbrio para uma execução integrada.

Desenvolver estratégias de engajamento em trabalho remoto, trabalhando a cultura, o propósito e os valores do negócio, além de estimular o fundamental papel das lideranças.

Criar políticas de home office, facilitando o “novo jeito” de trabalhar.

Focar na saúde e na segurança dos empregados, de seus familiares, envolvendo as comunidades locais e os públicos de relacionamento, achatando o risco, identificando formas de minimizar os impactos. Esquemas de contingência ativos e dinâmicos.

Tempo é crucial.

Clareza e consistência, obrigação das fontes.

Respeito, colaboração e empatia para escalonar com velocidade a informação correta.

Linguagem e respostas únicas para os públicos tornam o processo de comunicação mais assertivo. Adaptar linguagem, conforme público, é mandatório.

Devemos ter clareza e visão, facilitando as novas experiências.

Times colaborativos e comprometidos, fazem toda a diferença para mantermos o nível de confiança.

Ampliarmos o bem comum, com o exemplo de líderes conscientes e colaborativos.

Pensar no futuro e nos reorganizarmos para novos enfrentamentos. Consciência coletiva, novas habilidades humanas para interagir e agir de forma sustentável globalmente.

Precisamos enfrentar coletivamente essa epidemia para que não venha a custar muitas vidas humanas. É nossa responsabilidade individual e coletiva atuarmos e orientarmos nossos negócios, a vida em família e em sociedade.

 

Compartilho materiais que tem orientado essa jornada:

https://edition.cnn.com/videos/tv/2020/03/15/yuval-noah-harari-amanpour-cnn-coronavirus.cnn

https://www.gallup.com/workplace/292334/covid-strategies-policies-world-largest-companies.aspx

https://www.mckinsey.com/business-functions/risk/our-insights/covid-19-implications-for-business

https://www.ted.com/talks/alanna_shaikh_why_covid_19_is_hitting_us_now_and_how_to_prepare_for_the_next_outbreak

 

Marlene Marchiori
Marlene Marchiori
Palestrante, escritora, mentora em comunicação, cultura e estratégia como práticas organizacionais. Pós-doutorado em comunicação organizacional. Doutora em Ciências da Comunicação. Graduação em Comunicação e Administração de Empresas. Ganhadora do Prêmio Opinião Pública Destaque Profissional Área Rural pelo Conselho Regional Profissionais de Relações Públicas. Professora da Universidade Estadual de Londrina desde 1982. Pesquisadora e Professora Senior do PPGA Administração. Professora de Cursos de Pós-graduação em diferentes instituições acadêmicas e na Aberje. Autora de livros e artigos em diversos periódicos, tendo publicado a Coleção Faces da Cultura e da Comunicação Organizacional com 10 volumes pela Difusão Editora e SENAC RJ. Gestora de comunicação com experiência em organizações por mais de 15 anos.

Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.

string(23) "Redação Portal Aberje"

Conheça alguns highlights do Tech Trends Report 2020

2030 está mais perto do que pensamos

Coronavírus: pessoas vêm antes de lucro financeiro

Combate à corrupção: da visibilidade à prática