×

CASE é a estratégia global da Mercedes-Benz para a mobilidade

Rede Aberje

A Mercedes-Benz, associada da Aberje, apresenta a estratégia global que norteia a mobilidade para a marca: o conceito CASE. Apoiada nos pilares Conectado, Autônomo, Serviços & Compartilhamento e Eletrificação, a ação redefine os conceitos de mobilidade para um futuro próximo, transformando o automóvel em um espaço que oferece uma experiência inovadora.

A marca é a responsável pela invenção do automóvel, mas seu papel pioneiro nunca ficou limitado a esse feito histórico. Ao longo de mais de um século, a Mercedes-Benz sempre esteve na vanguarda do desenvolvimento do automóvel, tanto no projeto e fabricação de veículos de alta qualidade quanto na evolução dos conceitos de segurança, conforto e praticidade.

A história do automóvel mostra vários momentos importantes em que a trajetória do transporte familiar e individual foi sendo definida. A indústria automotiva passa exatamente por um desses pontos cruciais – talvez o mais desafiador de todos os tempos. É preciso passar por um processo de reinvenção, que vai muito além da criação de novos modelos ou de novos métodos de propulsão.

Cada letra do CASE tem um profundo significado nesse processo que irá moldar a atuação da Mercedes-Benz e influenciar, não apenas o segmento diretamente envolvido com a produção de veículos, mas a vida de todos aqueles que os utilizam, direta ou indiretamente.

CONECTADO – Um tema relativamente novo no que diz respeito ao automóvel, a conectividade é, hoje, decisiva na concepção dos veículos. Ela vai muito além da conexão à internet e da possibilidade de comunicação entre pessoas. Esse pilar já está presente por meio do MBUX- Mercedes-Benz User Experience. O Classe A foi o primeiro veículo da Mercedes-Benz a apresentar esse sistema multimídia inteligente e intuitivo, representando uma revolução para a experiência de uso do veículo. Um dos principais elementos de destaque é o cockpit Widescreen de alta resolução com diversas possibilidades de operação: por meio do volante multifuncional, do “touchpad” no console central, via toque no próprio display de mídia ou pelo inovador controle vocal inteligente com reconhecimento de fala, ativado por meio das palavras-chave “Olá”, “Oi” ou “E Aí” seguidas por “Mercedes”. Funções como ajuste do ar condicionado, escolha de uma estação de rádio e abertura da persiana do teto-solar podem agora ser facilmente acessadas.

Outra nova tecnologia chamada Car-to-X, por exemplo, permitirá que os automóveis não apenas se comuniquem entre si em tempo real mas, também, com toda a estrutura viária. O veículo irá receber informações sobre a situação do trânsito, além da área de visão do motorista, e poderá sincronizar sua velocidade com os semáforos, encontrar vagas para estacionar e evitar engarrafamentos. O resultado será maior segurança, viagens mais rápidas e maior eficiência. Uma das aplicações mais importantes de conectividade desenvolvidas pela Daimler, que já está sendo utilizada, é a otimização do uso dos meios de transporte de carga, interligando motoristas, comércio e indústria e clientes para uma distribuição mais rápida e eficiente das mercadorias dentro e entre cidades.

AUTÔNOMO – A Mercedes-Benz é pioneira em condução autônoma e já tem um grande número de veículos circulando em testes em várias partes do mundo. Automóveis que não exigem a ação de motoristas deverão levar à redução no número de acidentes e a mudanças radicais, como a possibilidade de aproveitar o tempo nos deslocamentos para atividades de lazer ou trabalho à distância e, até mesmo, permitir que pessoas sem carteira de habilitação – idosos ou jovens, por exemplo – possam utilizar o veículo de forma independente.

As principais tecnologias que permitirão a condução totalmente autônoma estão sendo desenvolvidas há anos pela Daimler e seus fornecedores. Elas incluem câmeras especiais, sensores utilizando radar, ultrassom, entre outros métodos. Muitas delas já estão presentes nos modelos Classe E e Classe S, seguindo o conceito Intelligent Drive, com sistemas que vão desde o estacionamento automático à condução quase autônoma em engarrafamentos ou estradas, por exemplo.