27.03
Diversidade no mundo jurídico Mais um segmento importante se engaja na causa da diversidade. E as agências de comunicação, cadê?

123

Os clichês costumam associar o mundo jurídico a grandes mesas de madeira, formalidade no relacionamento entre pares e alguma burocracia no trato de processos.

Se por uma lado esta imagem não é totalmente equivocada, por outro, a área de advocacia tem dados passos importantes rumo a ambientes mais respeitosos, mas não necessariamente sisudos. Falo aqui de políticas de diversidade e inclusão.

A Faculdade de Direito da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo recebeu na última sexta-feira (24) a primeira edição do evento LGBT por Direito: diversidade e inclusão no mundo jurídico.

A iniciativa contou com a participação dos mais importantes escritórios do país, como Mattos Filho, Trench, Rossi e Watanabe, Pinheiro Neto, Shearman e Sterling e outros.

Advogadas e advogados renomados apresentaram suas principais preocupações e iniciativas em relação ao tema da diversidade.

Chamou a atenção o tom de sinceridade das falas, com pessoas claramente emocionadas e engajadas com a possibilidade de ajudar a construir uma sociedade mais justa e igualitária.

Foram anunciadas ações importantes, como o ingresso gratuito de ações de retificação de nome para pessoas trans. Além disso, os escritórios firmaram o compromisso de avançar com este debate, conscientizar seus clientes e fornecedores para a importância do assunto e encarar novas frentes, como o desafio da inclusão racial no meio jurídico.

É mais um segmento importante se engajando na causa da diversidade. Depois das multinacionais e dos grandes players de tecnologia, agora os escritórios de advocacia.

Mas falta gente nesta conversa. Agências de comunicação, o segmento automotivo, os grandes bancos e estatais, por exemplo.

Quando o assunto é inclusão, não existe concorrência. A causa é maior. Por isso, converse com os principais representantes do seu setor e comecem juntos a discutir o assunto.

Quanto mais gente estiver preocupada com a questão da representatividade e do respeito às diferenças, mais rapidamente avançaremos.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor.