Busca avançada       290 comunicadores online          |          linguagem EN ES PT IT          |  cadastre-se    
Curso Internacional

Apoio:

Itaú

Vale



Bayer

CPFL

BASF

Apoio Odebrecht

CCFB

HOME >> ACERVO ON-LINE >> COLUNAS >> COLUNISTAS >> Mônica Alvarenga
COLUNAS


Mônica Alvarenga
monica@monicaalvarenga.com

Coach e consultora em Comunicação e Relacionamentos Organizacionais, graduou-se em Comunicação Social pela UFRJ, Letras (FEUC), especializando-se em Marketing (FGV), Comunicação Corporativa (Syracuse University, NY) e Mídias na Educação (UFRRJ). É diretora da Múltipla Comunicação. Escreve para portais e blogs sobre relacionamento e comunicação. 

www.monicaalvarenga.com

Apurar os ouvidos é remover obstáculos à comunicação

              Publicado em 28/5/2010

Tive uma experiência rápida em um curso de Biologia Cultural, que Humberto Maturana e Ximena D´Ávila conduzem em São Paulo, e participei de uma das dinâmicas daquele dia. Uma técnica simples, que consistia em apoiar as palmas das mãos nas mãos de outra pessoa e experimentar o falar e o escutar sem palavras, mas através dos movimentos do corpo. O “falante” posicionava-se com as mãos sobre as do “ouvinte”, conduzindo o processo, enquanto o parceiro esmerava-se para “escutar”, usando sentidos que não o da audição.

Tudo certo, mas incômodo, para mim. Não havia o verbo a que estamos tão acostumados. Apenas o olhar, no meu caso, pra uma pessoa estranha, e o toque. Procurei permanecer o mais receptiva que pude, mas, ainda assim, o incômodo persistia. Inquietava-me a possibilidade de eu não entender aquela pessoa, ou de não ser entendida. Ao longo de várias tentativas com a mesma pessoa, em silêncio e com músicas de diferentes ritmos, notei que ela também tentava perceber-me da melhor forma possível, mas eu ainda me sentia incomodada.

Até que parei. Literalmente. Fiquei de pé, sem me mexer. Mantive minhas mãos sobre as dela e esqueci minhas preocupações com a performance ou com a compreensão da pessoa à minha frente. Naquele momento, precisava entender o que se passava comigo e escutar a mim mesma. Senti-me confortável e tentei dizer isso com as mãos para minha companheira de exercício. Ela pareceu entender tranquilamente.

De fato, não é possível ouvir o outro sem antes ouvirmos a nós mesmos! Essas conclusões óbvias ainda me impressionam e espero que me impressionem sempre, propiciando-me reflexões capazes de me tirar do modo automático de viver. Enquanto me esforçava para escutar e mergulhar no universo do outro, focando no resultado do exercício, não conseguia me comunicar. Quando mergulhei em mim, a mágica aconteceu. Descobri o que e como desejava comunicar, e pude fazê-lo através dos meus movimentos.

Lembrei, então, de uma história que ouvi, certa vez, sobre o aprendizado de um jovem príncipe com um sábio hindu. A esperada lição consistia em uma longa incursão na floresta para escutar os sons que ela produzia. O jovem retorna, mas o mestre o manda de volta até que ele, depois de muito tempo, retorne dizendo que escutou o orvalho, o nascer e o pôr do sol, entre outros sons inaudíveis. O sábio, então, explica que só aqueles que aprendem a ouvir o coração das pessoas podem entendê-las e compreender suas necessidades.

Num texto publicado pela primeira vez em 1952, C. Rogers e F. J. Roethlisberger dizem que “podemos alcançar uma comunicação verdadeira e evitar essa tendência a avaliar (que, segundo os autores, obstrui a comunicação) se ouvirmos com compreensão. Isto significa perceber a ideia e a atitude expressas do ponto-de-vista da outra pessoa, sentindo como isso parece à pessoa, compreendendo seu quadro de referência sobre o assunto que está sendo discutido.”
Parece simples, mas não é o que ocorre na prática. E não me refiro somente aos ambientes corporativos. Nesse texto, que sempre me parece tão atual, os dois apontam razões para as dificuldades em ouvir, e nenhuma delas tem a ver com a vida corrida, o excesso de tarefas ou a tecnologia. Entre todas, a que me convida à maior reflexão é a “falta de coragem”. Dizem que aquele que se propõe a escutar o outro corre o risco de se transformar e afirmam que poucos têm coragem para uma troca desse nível. Talvez, por isso, o processo de ouvir e de comunicar-se necessite desse movimento interno. Quando nos voltamos e atentamos para nós mesmos, podemos, então, voltarmo-nos para o outro, ação imprescindível a processos de comunicação realmente eficazes.


Leitura recomendada


Rogers, C. R.; ROETHLISBERGER, F. J. Barreiras e portas para a comunicação. Comunicação eficaz nas empresas: como melhorar o fluxo de informações para tomar decisões corretas.  Rio de Janeiro: Elsevier, 1999. (Harvard Business Review Book)


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor. 2067

Indique esta coluna

voltar



Sobre a Aberje   |   Cursos   |   Eventos   |   Comitês   |   Prêmio   |   Associados |   Diretoria   |    Canal de Associados   |    Fale conosco   |   Siga-nos no Twitter   |    Cadastre-se

Aberje - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ©1967 Todos os direitos reservados.
Aberje Angélica | Av. Angélica, 1757 - 12º andar - Higienópolis - São Paulo/SP
Aberje Sumaré | Rua Amália de Noronha, 151 - 6º andar - Próximo à Estação Sumaré do Metrô - São Paulo/SP