Busca avançada       283 comunicadores online          |          linguagem EN ES PT IT          |  cadastre-se    
Curso Internacional

Apoio:

Itaú

Vale

Bayer

CPFL

BASF

CCFB

HOME >> ACERVO ON-LINE >> COLUNAS >> COLUNISTAS >> Ruy Altenfelder
COLUNAS


Ruy Martins Altenfelder Silva


Presidente Voluntário do Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa Escola – CIEE, do Conselho Diretor do CIEE Nacional; do Conselho Superior de Estudos Avançados da FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo; da Academia Paulista de Letras Jurídicas – titular da cadeira nº 54; da Fundação Nuce e Miguel Reale; Vice-Presidente do CIESP – Centro das Indústrias do Estado de São Paulo; Membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social – CDES da Presidência da República; Membro do Conselho Superior de Assuntos Jurídicos e Legislativos – CONJUR da FIESP; Conselheiro do Instituto Roberto Simonsen e do Conselho Consultivo da Aberje; do Conselho Curador da Fundação Memorial da América Latina; do Conselho Curador da Fundação Universidade Virtual do Estado de São Paulo – UNIVESP; da Comissão de Direitos Humanos da USP; da Academia Paulista de História; da Academia Cristã de Letras; curador dos Prêmios da Fundação Bunge. 

É autor dos livros “Cenários de Esperança”, “O Pressuposto da Ética”, “Repensando o Brasil: Ética para todos”; “Diálogo Nacional: Repensando o Brasil” e “Novo Nome da Paz”. 

Foi Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Turismo do Estado de São Paulo, na gestão do Governador Geraldo Alckmin (2002/2003). Foi homenageado com a Medalha João Ribeiro da Academia Brasileira de Letras – ABL (2010) e distinguido com a láurea Personalidade do Ano em Comunicação Empresarial 2010 pela Aberje. Foi Superintendente da Fundação Bunge e Diretor e Conselheiro do Moinho Santista.  

 

A função do erro

              Publicado em 23/4/2014

Empresas apregoam aos seus funcionários que evitem erros com ordens quase sempre ameaçadoras: antes de agir, analisem com extremo critério todas as possibilidades e relacionem cuidadosamente os prós e os contras. Investiguem todas as alternativas sendo reflexivos e ponderados e não se esqueçam de usar nosso caríssimo e complexo software de análise estatística, pois a qualquer deslize o bicho papão da demissão pegará vocês. Ora, ao cercear as possibilidades de erro, a empresa não inovará, nem fará com que suas equipes sejam criativas - a maior exigência do mundo atual - e, criará um bando de carneirinhos adeptos ao Yes, sir! - Funcionários podem ser criativos em casa, na rua, com os amigos e com seus hobbies, mas ao bater o cartão ponto deixam de sê-lo. A ordem não se pode errar é a mesma de não se pode ousar, criar e inovar. Quem não está disposto a arriscar não vai ser criativo e inovador nunca.

Este contexto é contraditório porque ao mesmo tempo em que se prega a necessidade da inovação se solicita o extremo cuidado na tomada de decisões. É por isso que temos tanta gente com muita capacidade para dizer “não” e pouquíssima com capacidade para dizer “sim”. Hoje, as decisões, quando acontecem, são repartidas em comitês porque ninguém tem a coragem de se arriscar. Com isso emperram-se os processos, perdem-se tempo e as oportunidades irão bater na porta da concorrência. Gente criativa não fica em empresa castradora, se ficar será tão infeliz que não vai ajudar em nada.

Dirigentes precisam entender que uma das funções do erro é detonar o início das histórias, que produtos campeões nasceram muitas vezes de erros históricos e que foi preciso errar muitas vezes para se chegar a uma solução satisfatória. Não estou fazendo apologia ao erro e ao descuido, estou dizendo que falhas grosseiras, chulas, advindas da falta de atenção ou do relaxo devem ser punidas. Erros oriundos de iniciativas de se fazer melhor devem ser incentivados.

O filósofo Shopenhauer nos diz que se cometemos um erro e este custou 10 reais e não aprendemos - pagamos caro; mas se cometemos um erro e este custou mil reais e aprendemos - pagamos barato. É preciso entender que não aprendemos com os erros, mas sim com a correção dos erros.

Ao iniciar um novo projeto, não devemos ter medo de errar, aliás, devemos sim, errar bastante e quanto mais cedo errarmos - melhor. Se não deu certo, não tem importância, o aprendizado nos ajudará a recomeçar novos projetos já com a expertise incorporada. Se ao longo de um processo não erramos em nada, com certeza é sinal de que também não inovamos. Processos, sistemas e projetos precisam ser corrigidos sempre. Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo disse: “Se a cada dez tentativas errarmos quatro, isto não é errar.”

O receio de se arriscar, hábito que aprisiona e inibe a criatividade, tem a ver com o julgamento e a culpa, frutos de uma busca de perfeição desnecessária, pois nem sempre os trabalhos empresariais precisam de 100% de perfeição. Sendo menos rigorosos com o nosso desempenho, enfrentaremos melhor os desafios e compreendemos que uma bola na trave vale mais do que uma para fora. Bolas na trave indicam que estamos muito perto do ideal e que não podemos nos acomodar. O repartir das tentativas e das correções motiva a todos e os mobiliza na busca do rumo correto. Zonas de conforto induzem ao medo de errar e estas à imobilidade.

Por outro lado, não é bom ficar preso aos erros do passado e em lamentações sem fim. Tal atitude só piora a situação. Um dos truques para se livrar dessa culpa é rememorar o erro (pela última vez) criando uma história fictícia, é claro, mas com final feliz para a situação e repeti-la algumas vezes. O erro e a culpa irão embora da nossa mente e estaremos preparados para cometer novos erros e, com certeza, com a capacidade criativa liberada. Ao se livrar do medo dos erros, um novo e brilhante caminho em nossa carreira será aberto. Só perde pênalti, quem se arrisca a bater pênalti.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor. 429

Indique esta coluna

voltar



Sobre a Aberje   |   Cursos   |   Eventos   |   Comitês   |   Prêmio   |   Associados |   Diretoria   |    Canal de Associados   |    Fale conosco   |   Siga-nos no Twitter   |    Cadastre-se

Aberje - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ©1967 Todos os direitos reservados.
Aberje Angélica | Av. Angélica, 1757 - 12º andar - Higienópolis - São Paulo/SP
Aberje Sumaré | Rua Amália de Noronha, 151 - 6º andar - Próximo à Estação Sumaré do Metrô - São Paulo/SP