Danilo Thomaz

A mobilidade é, hoje, parte fundamental da cidadania nas principais democracias do mundo e um dos setores de maior inovação na tecnologia e na gestão pública, trazendo uma série de desafios para os diferentes setores da sociedade civil que atuam nessa área. Desafios que passam pela necessidade de novas tecnologias – e a absorção de seu impacto; pela revisão dos modelos tradicionais de mobilidade voltados ao transporte individual; pelo diálogo entre a sociedade civil e o Estado e, claro, na forma de comunicar esse novo mundo aos cidadãos, integrando-os aos processos de transformação.

Em vista disso, a Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial realiza, entre setembro e novembro, o Lab de Comunicação para Mobilidade, apresentado pela General Motors – GM do Brasil, que irá abrir os encontros apresentando sua experiência e projetos em mobilidade urbana.

Com curadoria do jornalista e escritor Leão Serva, o Lab discutirá em três encontros as novas políticas de inovação e comunicação na área com profissionais e especialistas que, nos últimos anos, têm feito das cidades um espaço de inovação a partir da mobilidade.

“Não há dúvida de que a mobilidade é a questão mais importante para o morador de São Paulo”, afirma o curador Leão Serva. “A imagem da mobilidade é a imagem que a mídia passa. Um exemplo disso é a questão dos ônibus: para quem acompanha pela TV, os ônibus estão sempre lotados. Na verdade, os ônibus passam a maior parte do tempo vazios em São Paulo. Poucos lotam na hora do rush”, conta. “Nesse contexto a comunicação é o problema mais grave, ainda que não seja vísivel.”

Os encontros

No primeiro encontro – Espaço –, em 29 de setembro (quinta-feira), na sede da Aberje em São Paulo, serão discutidas as políticas públicas e tendências do urbanismo e da arquitetura na elaboração das cidades do futuro.

Para discutir como as cidades nas quais viveremos em pouco tempo estão sendo pensadas, construídas e comunicadas no presente, o Lab de Comunicação para a Mobilidade reúne o professor da USP e ex-secretário de Transportes, Miguel Bucalem; o Engenheiro e assessor da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Eduardo Vasconcellos; a jornalista e criadora do projeto Cidade para Pessoas, Natália Garcia; o urbanista Cândido Malta e o arquiteto e especialista em Planejamento do Metrô de SP, Luiz Antônio Cortez Ferreira.

O “Tempo” dá o eixo do segundo encontro, em 24 de outubro (segunda-feira), que debaterá o direito à cidade e o cotidiano dos cidadãos, com foco nas políticas de acesso e comunicação, trazendo exemplos de cidades resolvidas, soluções inovadoras para a mobilidade, como os modais e as ciclovias, e a ocupação do espaço público pela cultura e pelo lazer.

Esse novo “ethos” do espaço urbano, discutido e implementado em todo o mundo, será debatido no segundo encontro do Lab de Comunicação pelo professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP, Norval Baitello; pela gestora de políticas públicas do Uber, Andréa Leal; pelo arquiteto e urbanista Mauro Munhoz, diretor-presidente da Associação Casa Azul, que realiza a Flip e mantém o Museu do Território de Paraty, e o gerente de novos negócios do Google, Alessandro Germano.

O terceiro encontro, a ser realizado em 11 de novembro (sexta-feira), no Salão do Automóvel em São Paulo, irá elaborar um documento que sistematize um conjunto de conhecimentos sobre a comunicação da mobilidade, a partir das discussões levantadas e das pesquisas apresentadas nos dois primeiros encontros. Para tanto, reunirá um time de inovadores de diferentes áreas da mobilidade – do ativismo ao Estado: o fundador da BH Trans, Osias Batista Neto; o ativista Ciclocidade e Mobilidade ativa, Daniel Guth; o presidente da Serttel e criador do Bike Sampa, Ângelo Leite e o diretor-executivo de Jornalismo da Band, André Luiz Costa.

Inscrições

Os encontros são gratuitos, mediante inscrição no site da Aberje.